Também chamado de “Dadá”, o Dadaísmo foi um movimento artístico e literário das vanguardas europeias no século XX. Além disso, é considerado um grande impulsionador das ideias surrealistas.

Por intermédio das suas características radicais, o movimento pregava o lema de “a destruição também é criação”. Assim, a sua proposta era desvincular a produção artística das regras de estética.

O Dadaísmo escandalizou o gosto popular e, neste artigo, você irá entender o conceito e as características desse movimento. Confira!

Dadaísmo: características do movimento artístico e literário.

Origem e conceito do Dadaísmo

Começando pela origem da palavra, Tristan Tzara (1896-1963), o poeta e criador do movimento, afirmou que “Dadá” não significa nada. O termo surgiu por acaso ao abrir o dicionário. No entanto, a palavra, que diz pouco ou quase nada, tornou-se muito importante nas produções artísticas e literárias.

Isso porque o Dadaísmo tem como principal conceito a estética do surreal, do absurdo, do incoerente. Criado na Suíça, em 1916, por meio dos textos de manifestos, o movimento tinha como objetivo promover uma nova manifestação artística.

A proposta era de uma arte espontânea e irreverente, pautada pela liberdade, ironia, absurdo, pessimismo e irracionalidade. Sua finalidade era de ir contra a guerra e o sistema, impactando os burgueses da época.

Inclusive, o termo “Dadá”, do francês, significa “cavalo de madeira”. Ele foi escolhido, justamente, para expressar a falta de sentido e as inconsistências do novo movimento. Desse modo, o Dadaísmo foi criado para questionar a arte e produzi-la com todas as suas imperfeições.

Contexto histórico do Dadaísmo

O contexto histórico do Dadaísmo se deu no período da Primeira Guerra Mundial da Europa. Inclusive, foram os estragos provocados por ela que influenciaram os artistas dadaístas. Isso porque a intensidade do confronto destruiu o senso lógico.

Os artistas da época passaram, então, a desprezar os valores culturais baseados no bom senso estético e na alta cultura. Assim, a destruição causada pela guerra se tornou o motor principal para a criação do movimento dadaísta.

Após exilarem-se na Suíça, por não aceitarem o posicionamento de seus países durante a guerra, eles levaram a arte para esse protesto. Dessa forma, as produções artísticas deveriam negar os valores vigentes e deixar a sociedade escandalizada. Uma vez que os destroços do confronto não pareciam ser suficientes para cessar o enfrentamento.

Características do Dadaísmo

A seguir, conheça as características do Dadaísmo:

  • negação dos valores atuais da época;
  • oposição ao equilíbrio;
  • defesa do irracional, do ilógico e do absurdo;
  • desprezo do convencionalismo e do subjetivismo;
  • valorização da liberdade e da antiarte;
  • experimentos de técnicas e formas;
  • escandalização por meio das produções artísticas.

Dadaísmo na literatura

O Dadaísmo na literatura segue o princípio do ilógico e do absurdo. Assim, na literatura o movimento se caracterizou pela desordem, pelo improviso e pelo desprezo ao equilíbrio e à racionalidade.

Para se ter uma ideia dessas características, Tristan Tzara (1896-1963) declarou que o segredo do Dadaísmo na literatura era “escrever o pensamento que sai da boca”. No entanto, muitas pessoas não compreenderam o que ele quis dizer. Sendo assim, o poeta forneceu a receita do poema dadaísta:

Receita de um poema dadaísta

Pegue um jornal.
Pegue uma tesoura.
Escolha no jornal um artigo do tamanho que você deseja dar ao seu poema.
Recorte o artigo.
Recorte em seguida com atenção algumas palavras que formam esse artigo e meta-as num saco.
Agite suavemente.
Tire em seguida cada pedaço um após o outro.
Copie conscienciosamente na ordem em que elas são tiradas do saco.
O poema se parecerá com você.
E ei-lo um escritor infinitamente original e de uma sensibilidade graciosa, ainda que incompreendido do público.

Tristan Tzara – Características do Dadaísmo na literatura

Como pudemos ver no tópico anterior, o Dadaísmo na literatura também possui características específicas. As principais são:

  • linguagem sem sentido;
  • incoerência;
  • agressividade verbalizada;
  • elementos mecânicos;
  • Irreverência artística;
  • desordem de palavras;
  • textos irônicos e pessimistas;
  • banalização da rima, lógica e raciocínio;
  • protesto contra as regras vigentes;
  • queixa contra a política.

Principais artistas do Dadaísmo

Foram muitos os expoentes do Dadaísmo, entre artistas plásticos, escultores e poetas, podemos destacar:

  • Francis Picabia (França, 1879-1953);
  • Hans Arp (França, 1886-1966);
  • Hugo Ball (Alemanha, 1886-1927);
  • Marcel Duchamp (França, 1887-1968);
  • Max Ernst (Alemanha, 1891-1976);
  • Raoul Hausmann (Áustria, 1886-1971);
  • Richard Huelsenbeck (Alemanha, 1892-1974);
  • Sophie Täuber (Suiça, 1889-1943);
  • Tristan Tzara (Romênia, 1896-1963).

O mapa abaixo mostra a distribuição dos principais artistas do Dadaísmo pela Europa (se quiser, pode navegar pela versão interativa):

Mapa dos principais artistas do Dadaísmo na Europa.

Dadaísmo no Brasil

No Brasil, o Dadaísmo foi destacado nas produções de alguns artistas no início da arte modernista. As obras de Ismael Nery e Flavio de Carvalho são exemplos desse movimento. Já na literatura, quem apresenta forte referência dadaísta é o autor Mário de Andrade com o poema “Ode ao burguês” do seu livro “Pauliceia Desvairada”, que você pode ler abaixo:

Eu insulto o burguês! O burguês-níquel,
o burguês-burguês!
A digestão bem-feita de São Paulo!
O homem-curva! o homem-nádegas!
O homem que sendo francês, brasileiro, italiano,
é sempre um cauteloso pouco-a-pouco!

Eu insulto as aristocracias cautelosas!
Os barões lampiões! os condes Joões! os duques zurros!
que vivem dentro de muros sem pulos;
e gemem sangues de alguns mil-réis fracos
para dizerem que as filhas da senhora falam o francês
e tocam os “Printemps” com as unhas!

Eu insulto o burguês-funesto!
O indigesto feijão com toucinho, dono das tradições!
Fora os que algarismam os amanhãs!
Olha a vida dos nossos setembros!
Fará Sol? Choverá? Arlequinal!
Mas à chuva dos rosais
o èxtase fará sempre Sol!

Morte à gordura!
Morte às adiposidades cerebrais!
Morte ao burguês-mensal!
ao burguês-cinema! ao burguês-tílburi!
Padaria Suissa! Morte viva ao Adriano!
“– Ai, filha, que te darei pelos teus anos?
– Um colar… – Conto e quinhentos!!!
Mas nós morremos de fome!

“Come! Come-te a ti mesmo, oh gelatina pasma!
Oh! purée de batatas morais!
Oh! cabelos nas ventas! oh! carecas!
Ódio aos temperamentos regulares!
Ódio aos relógios musculares! Morte à infâmia!
Ódio à soma! Ódio aos secos e molhados!
Ódio aos sem desfalecimentos nem arrependimentos,
sempiternamente as mesmices convencionais!
De mãos nas costas! Marco eu o compasso! Eia!
Dois a dois! Primeira posição! Marcha!
Todos para a Central do meu rancor inebriante
Ódio e insulto! Ódio e raiva! Ódio e mais ódio!
Morte ao burguês de giolhos,
cheirando religião e que não crê em Deus!
Ódio vermelho! Ódio fecundo! Ódio cíclico!
Ódio fundamento, sem perdão!

Fora! Fu! Fora o bom burgês!…

Mario de Andrade

Além dele, o escritor Manuel Bandeira, que, inclusive, é considerado um dos maiores poetas do Modernismo Brasileiro, também mostrou suas influências dadaístas em obras.

O Dadaísmo chegou ao fim entre os anos de 1921 e 1922. Contudo, serviu como base para movimentos como o expressionismo abstrato, o surrealismo, a arte conceitual e a pop art.

Vale destacar que o Dadaísmo no Brasil influenciou um dos eventos mais destacados da arte e da literatura no país, que foi a Semana de Arte Moderna.

Características do Dadaísmo na Literatura no Brasil

  • O movimento dadaísta no Brasil foi caracterizado por:
  • Irreverência e provocação;
  • Crítica social;
  • Experimentação;
  • Desafio ao status quo;
  • Humor e escracho.

Principais escritores do Dadaísmo no Brasil

Apesar de quase nenhum escritor poder ser considerado estritamente dadaísta no Brasil, há alguns autores que tiveram influência relevante do movimento, dentre os quais podemos destacar:

  • Mário de Andrade;
  • Oswald de Andrade;
  • Manuel Bandeira;
  • Raul Bopp;
  • Flávio de Carvalho.

Questões sobre Dadaísmo

Para finalizar esse artigo, vamos conferir duas questões inéditas sobre o movimento dadísta:

Questão 1

Quais das características abaixo estão presentes na lieratura do Dadaísmo:

a) Criação de textos aleatórios e fragmentados;

b) Influência da Igreja Católica e valorização da religiosidade;

c) Uso de linguagem rebuscada e respeito às métricas poéticas;

d) Valorização da racionalidade e do cientificismo.

Questão 2

Quem foi o principal expoente do movimento dadaísta na literatura mundial:

a) Liev Tolstói;

b) Franz Kafka;

c) Tristan Tzara;

d) Marcel Duchamp

Gabarito comentado das questões

  • Questão 1 – Resposta: Letra A. Uma das principais características do movimento dadaísta era a experimentação e o desprezo pelas formas e métricas tradicionais. Isso levou à produção de textos fragmentados e não lineares, escritos quase que de forma aleatória.
  • Questão 2 – Resposta: Letra C. O poeta romeno Tristan Tzara (Samy Rosenstock) foi a figura principal do movimento dadaísta na literatura. Seu codinome significava “triste terra”. Sua produção literária foi fortemente marcada pela contestação à burguesia da época e à guerra.

*
Gostou do artigo? Então, continue seus estudos com o nosso Guia da Literatura.