Língua Portuguesa e Literatura para o Enem

Tag: dicas de português (Page 1 of 2)

Nenhum x Nem um – qual a diferença?

Apesar de serem parecidas, as expressões nenhum e nem um têm significados diferentes.

 

Os termos nem um e nenhum, apesar de serem parecidos, são empregados em contextos diferentes. Neste artigo, vamos mostrar o significado e quando utilizar cada um. Vejamos!

Nenhum

Nenhum é um pronome indefinido e é utilizado em oposição a algum. Dessa forma, para saber quando o usar, basta substituir nenhum por algum.

Ex: Nenhum de nós seria capaz de realizar aquela tarefa.

SUBSTITUIÇÃO: Algum de nós seria capaz de realizar aquela tarefa.

A mesma sistemática se aplica ao pronome nenhuma.

Continue reading

Por que, por quê, porque e porquê – quando usar cada um?

Uma das maiores dúvidas na hora de escrever um texto é qual tipo de porquê usar. 

São quatro, usados em diferentes situações, e para acabar com todas as dificuldades que você possa ter em relação ao uso deles, vamos descrever como usar, onde, e exemplificar para que não exista mais chance de você cometer erros!

Vamos lá?

Tirinha do 'Porque': quando usar porque, por que, por quê e porquê.

Quando usar “por que”?

O por que escrito assim, sem acento e separado é utilizado em frases interrogativas, em perguntas, mas sempre no começo ou no meio delas. Nunca como explicação ou no fim das frases, ele sempre é uma dúvida, ou seja, é um pronome relativo. Quando temos a junção da preposição “por” com o pronome relativo “que”. Aqui a expressão é sinônima de “pelo qual”

Sinônimos para “por que”

Por qual razão, por qual motivo e pelo qual

Exemplos do uso do “por que”

Seguem abaixo algumas frases que utilizam o “por que” tanto no meio como no começo, sempre de maneira interrogativa.

  • Por que temos que sair agora?
  • Por que eles não quiseram vir?
  • Queria saber por que não podemos ir ao show.
  • O sítio por que passei é encantador. (O sítio por qual passei é encantador)
  • A razão por que sobra sempre trabalho mais que os outros é um mistério. (A razão pela qual sempre trabalho mais que os outros é um mistério.)

Quando usar “porque”?

Esse ”porque” escrito junto, sem acento, é uma conjunção subordinativa causal ou coordenativa explicativa, e é utilizado com o sentido de esclarecer algo, como resposta.

Sinônimos para “porque”

Pois, para que ou uma vez que

Exemplos do uso do “porque”

Explicando melhor o uso desse tipo de “porque” através dos exemplos abaixo:

  • Não quis sair porque estava muito cansado.
  • Vou trabalhar porque estão me esperando.
  • Trouxe comida porque aqui não tem restaurantes.

Quando usar “por quê”?

O “por quê” escrito separado, com acento circunflexo, aparecerá sempre no final das frases e pode ser utilizado de maneira interrogativa, exclamativa ou simplesmente com um ponto final.

Nesse caso, temos o encontro da preposição “por” com o pronome interrogativo tônico “quê”.

Sinônimos para “por quê”

Por qual motivo?

Exemplos do uso do “por quê”

  • Temos que sair agora por quê?
  • Estarei fora da cidade na próxima semana, por quê?
  • Ainda não sei que horas vou ao show, por quê?
  • Temos que ir caminhando por quê?
  • Não sei por quê.

Quando usar “porquê”?

Quando usamos o “porquê” escrito junto, com acento circunflexo, significa motivo ou razão. E é um substantivo. Antes desse “porquê” sempre virão artigos, pronomes, adjetivos ou numerais no sentido de se explicar o motivo do “porquê” dentro da frase.

Sinônimos para “porquê”

Por qual razão ou motivo

Exemplos do uso do “porquê” 

Como nesse caso o “porquê” é utilizado com o sentido de razão ou motivo ele não tem lugar fixo na construção da frase para aparecer como podemos ver nos exemplos abaixo:

  • Pretendo descobrir o porquê desta confusão.
  • Não me explicaram o porquê da demissão do Cláudio.
  • Alguém sabe o porquê dele ter faltado hoje?

Compilado: Simplificando a regra dos porquês 

Tipo de porquê Quando usar?Exemplos
“Por que”







Esse “por que” possui o mesmo sentido de “pelo qual”, “pelos quais”, “pela qual”, “pelas quais”, “por qual”, “por qual razão”, “por qual motivo”.”


O caminho por que passamos.
As estradas por que passamos.
Foi substituído por que médico?
Por que estava sorrindo?
“Por quê”Nesse caso o “por quê” significa “por qual razão” ou “por qual motivo”, no final de frase e antes de ponto-final, ponto de exclamação ou de interrogação.”Estava sorrindo por quê?
Ela sabe por quê.
Eu sei por quê!
“Porque” O “porque” junto e sem acento também pode ser substituído por “pois”, “já que”, “visto que”, “uma vez que” ou “em razão de”.”Veio porque chamei.
Porque estava cansado, não foi ao cinema.
“Porquê”Com o mesmo sentido de “razão” ou “motivo”.”Não entendo o porquê de tudo isto.
Eu buscava um porquê para seguir em frente.

Outros casos de palavras parecidas 

Temos muita palavras semelhantes, em grafia e fonética na língua portuguesa, mas, com significado totalmente distinto, como as que selecionei abaixo:

  • Sob e sobre
  • Insipiente e incipiente
  • Inapto e inepto
  • Despercebido e desapercebido
  • Acento e assento
  • Retificar e ratificar
  • Acender e ascender

Se você quiser maiores informações sobre esse tipo de palavras com formas gráficas variantes, pode acessar a nossa playlist no youtube

O que é gentílico?

O-que-e-Gentilico

Gentílicos são um grupo de palavras que qualificam pessoas e objetos de acordo com sua origem geográfica.

ex: Russo, brasileiro, maranhense, brasiliense, angolano.

Adjetivos

Quando exercem a função de adjetivo, os gentílicos são chamados de adjetivos pátrios. Vejamos alguns exemplos de uso desses termos:

  • Vladimir Putin é o presidente russo.
  • A seleção brasileira ganhou o jogo ontem.
  • Os cidadãos soteropolitanos são muito alegres.

Continue reading

Locução prepositiva: quais são, como usar e exemplos

O português é realmente um idioma incrível com vasta literatura e uma gramática rica. Seguimos com o objetivo de esclarecer suas questões nessas áreas.

Nosso texto de hoje é para sanar suas dúvidas, caso existam, sobre as locuções prepositivas.

Aqui é possível descobrir como usar cada uma delas e ver exemplos práticos que podem tornar mais fácil a compreensão.

Vamos aos fatos!

Locução prepositiva

Locução prepositiva: o que é?

Locução é a junção de duas ou mais palavras cumprindo alguma função morfológica.

E a locução prepositiva é o conjunto de duas ou mais palavras exercendo o valor de preposição, conseguindo assim conectar os termos da frase

O último vocábulo dessa construção sempre será uma preposição.

Exemplos de locuções prepositivas 

  • a cerca de;
  • a despeito de;
  • à exceção de;
  • a fim de;
  • à mercê de;
  • a par de;
  • a partir de;
  • à proporção de;
  • a respeito de;
  • à volta de;
  • abaixo de;
  • acerca de;
  • acima de;
  • além de;
  • antes de;
  • ao encontro de;
  • ao invés de;
  • ao lado de;
  • ao nível de;
  • ao ponto de;
  • ao redor de;
  • ao sabor de;
  • apesar de;
  • aquém de;
  • às custas de;
  • às expensas de;
  • atrás de;
  • através de;
  • cerca de;
  • com respeito a;
  • com vista a;
  • de acordo com;
  • de cima de;
  • de encontro a;
  • debaixo de;
  • defronte de;
  • dentro de;
  • depois de;
  • diante de;
  • em conformidade com;
  • em face de;
  • em frente de;
  • em função de;
  • em lugar de;
  • em meio a;
  • em nível de;
  • em proporção com;
  • em redor de;
  • em torno de;
  • em vez de;
  • em via de;
  • em volta de;
  • fora de;
  • graças a;
  • junto a;
  • junto de;
  • longe de;
  • perto de;
  • por baixo de;
  • por causa de;
  • por cima de;
  • por diante de;
  • por meio de;
  • por trás de;
  • quanto a;
  • tirante de

Contração e Combinação: Entenda a diferença

As preposições a, em, per e de podem se unir a outros termos, formando um novo vocábulo. Essas locuções podem se originar de dois processos distintos: combinação e contração.

Para entender a diferença  entre as duas, vamos exemplificar.

Contração 

A combinação ocorre quando a preposição se une a outra palavra sem sofrer alteração na sua grafia. 

Ex: Ele foi ao supermercado. (ao = preposição “a” + artigo “o”);

Ex: Entreguei o presente aos meninos. (aos = preposição “a” + artigo “os”)

Combinação 

A contração acontece quando há uma modificação na estrutura fonológica da preposição.

Ex: Chegou no lugar planejado. (no = preposição “em” + artigo “o”);

Ex: Ele foi à feira. (à = preposição “a” + artigo “a”);

Ex: Ela passou pela praça. (pela = preposição “per” + artigo “a”);

Ex: Essa casa é da moça. (da = preposição “de” + artigo “a”).

Veja alguns exemplos do uso das locuções prepositivas

Seguem exemplos para ficar mais claro:

  • Novos horários são válidos a partir de hoje.
  • O RH conversou com os colaboradores acerca das normas.
  • Conseguiremos realizar o evento graças aos patrocínios recebidos das empresas.
  • A mente da população vai se modificando através dos anos.
  • Apesar de já ter acabado, o plantão me deixou cansada.
  • Sobre o e-mail, nossa reunião será a respeito disso.
  • De acordo com as pesquisas, o candidato à reeleição deve vencer.
  • Por causa de um apagão, tivemos vários atrasos.
  • Todos temos muito respeito para com eles.
  • por baixo do meu cadáver!
  • Para conservar os alimentos, mantenha a temperatura abaixo de 18 graus.
  • Podemos passar adiante de vocês?
  • O gato se deitou embaixo da cadeira.
  • Diante de tudo isso, me sinto mais inspirada.
  • Além de ser caro, o atendimento é ruim no restaurante.
  • Antes de sair, pegue a carteira, as chaves e o celular.
  • Estamos felizes, acima de tudo.
  • Não espalhe suas coisas em cima da mesa.
  • Esse atleta passa por cima de todas as dificuldades.
  • É muito bom estar ao lado de quem amamos.
  • Estou em frente à loja de calçados
  • Já fiquei a par de todas as coisas.
  • Em vez de ajudar, ainda nos atrapalhou.
  • Eu moro perto de um shopping muito bom.
  • Ele sempre esteve por trás de tudo.
  • Sempre estaremos junto a você.
  • Com exceção de nós duas, todas elas foram ao cinema.

Qual a diferença entre locução adverbial e locução prepositiva?

Ambas são locuções, ou seja, o conjunto de palavras que indicam um sentido.

No caso da locução adverbial, o conjunto possui o sentido de advérbio.

Enquanto na locução prepositiva, o conjunto corresponde a uma preposição.

Como distinguir entre as duas? Muito simples, se a última palavra do conjunto for preposição, é locução prepositiva, mas se a última palavra do conjunto for um advérbio, ela então será locução adverbial.

Basta prestar atenção aos detalhes, que ficam simples de descobrir.

Obrigado você ou obrigado a você?

Pergunta do leitor: Pedro, apresento um programa de TV e no fim das gravações geralmente agradeço os entrevistados dizendo “obrigado fulano, obrigada Beltrana e obrigado a você que nos assiste”. Está certo? Porque com os entrevistados não uso a preposição. Qual a melhor forma de dizer este último obrigado para o telespectador?

Resposta:

Afinal, o correto é obrigado você ou obrigado a você? Para resolver essa questão, é preciso voltar à origem da expressão “obrigado”. Vejamos!

Obrigado a você

Na sua origem, o uso da palavra obrigado como forma de agradecimento tem o sentido de “estou obrigado a retribuir seu favor”.

Nesse sentido, se o objetivo é mostrar gratidão a alguém, o correto é utilizar a preposição.

Ex: Obrigado ao senhor secretário pela entrevista.

Obrigado você

Se você disser obrigado você, o que estará dizendo é que a pessoa é que está obrigada a retribuir seu favor. O sentido aqui seria: “quem está obrigado a fazer alguma coisa não sou eu, é você”.

O uso da expressão sem a preposição é cabível quando você responde alguém. Vejamos no exemplo abaixo:

Entrevistado: Obrigado pelo convite.

Entrevistador: Obrigado eu. (Obrigado estou eu).

Verbo x Interjeição

De acordo com o professor da Universidade de Lisboa, Marcos Neves, o uso da palavra “obrigado” como forma de agradecimento é relativamente recente. Somente no século XIX, é que o termo passou a ser usado com esse significado.

Nesse contexto, surgiu uma divergência entre os gramáticos. Há um grupo que entende que obrigado é o particípio do verbo obrigar. Nesse sentido, como forma nominal do verbo, a palavra permitiria flexão gênero. Essa é a abordagem mais aceita atualmente.

Assim, homens diriam “obrigado” e mulheres “obrigada”.

Em contrapartida, seguindo uma nova perspectiva, há uma parcela dos estudiosos da língua que considera que “obrigado” funcionaria como uma interjeição. Logo, seria um termo invariável. Dessa forma, tanto homens quanto mulheres deveriam utilizar somente a forma masculina “obrigado”.

Gostou do texto? Então, vale a pena conferir o vídeo que fizemos sobre a regra básica para o uso de siglas:

Aprofunde seus estudos e conheça os principais casos de concordância verbal e nominal:

“Você” é 2ª ou 3ª pessoa? Wesley Safadão ajuda a explicar

wesley-safadao

Afinal de contas o pronome você é segunda ou terceira pessoa do singular? Neste artigo, vamos resolver essa dúvida. Para isso, vamos analisar uma famosa música do Wesley Safadão.

Assista aí de camarote

Na letra de uma das suas músicas, o cantor Wesley Safadão diz o seguinte: “agora assista aí de camarote eu bebendo gela e tomando Círoc”. Será que a conjugação adotada está correta?

Vejamos. No caso, “assista” é o imperativo afirmativo do verbo “assistir”, referente à terceira pessoa do singular.  Na frase, está subentendido que o verbo se refere ao pronome você (assista você). Para verificar se a conjugação adotada está correta, é preciso definir se você é segunda ou terceira pessoa do singular.

Pessoa do discurso x pessoa gramatical

Antes de tudo, é preciso fazer um distinção. Na língua portuguesa, há uma diferença entre pessoas do discurso e pessoas gramaticais.

Quando falamos de pessoas do discurso, a classificação é feita de acordo com a posição no ato comunicativo:

  • 1ª pessoa – Aquela que fala (eu, nós);
  • 2ª pessoa – Aquela para quem se fala (tu, vós, você, vocês);
  • 3ª pessoa – Aquele de quem se fala (ele, ela, eles, elas).

Nesse sentido, no tocante a pessoas do discurso, você é classificado como segunda pessoa.

Já as pessoas gramaticais indicam qual flexão verbal adotar, qual pronome oblíquo utilizar entre outros.  Assim, nesse tipo de classificação, você é enquadrado como terceira pessoa do singular.

Logo, Wesley Safadão emprega corretamente o verbo “assistir”. Ponto para ele!

Gostou do texto? Então, vale a pena assistir ao vídeo em que explicamos como fazer um parágrafo perfeito:

Aprofunde seus estudos e conheça os principais casos de concordância verbal e nominal:

Macete de menino: como identificar a função sintática do pronome oblíquo?

Como descobrir qual a função sintática do pronome oblíquo? Neste artigo, vamos apresentar um macete muito simples para resolver essa dúvida.

Vale lembrar que o pronome oblíquo é aquele que, na sentença, exerce a função de complemento verbal, ou seja, de objeto direto ou de objeto indireto.

O menino

Para identificar a função sintática do pronome oblíquo, basta substituí-lo pela expressão “o menino” e, então, analisar a função dela na oração.

Ex.: A mãe maltratava-o muito.

Substituindo: A mãe maltratava o menino muito.

Quem maltrata, maltrata alguém. Logo “maltratar” é verbo transitivo direto e “o menino” é o objeto direto.

Pronto! Agora já sabemos que pronome oblíquo “o” tem função de objeto direto.

Fácil, né?

Pronome oblíquo

Os pronomes oblíquos são divididos entre átonos e tônicos. Confira abaixo a lista de pronomes oblíquos átonos:

  • Singulares: me, te, lhe, o, a, se;
  • Plurais: nos, vos, lhes, os, as, se.

Agora confira a lista de pronomes oblíquos tônicos:

  • Singulares: mim, comigo, ti, contigo, ele, ela, si, consigo;
  • Plurais: nós, conosco, vós, convosco, eles, elas, si, consigo, eles, elas, si, consigo.

É importante destacar que o pronomes átonos não são acompanhados de preposição. Já os tônicos sempre devem ser precedidos pela preposição.

ex1: Ele entregou o presente para mim. (tônico)

ex2: Ele me entregou o presente. (átono)

Gostou do texto? Então, vale a pena assistir ao vídeo que fizemos sobre a pronúncia correta da palavra RUBRICA:

Inscreva-se para fazer parte do clube de português gratuitamente e receber dicas para te deixar afiado na língua (link para um nova página do site) .

Implicar – veja a forma correta de utilizar o verbo

Veja como usar o verbo

Às vezes um erro se repete tanto, que algumas pessoas passam a achar que ele é um acerto. É o caso do verbo implicar. Neste artigo, vamos analisar a regência deste verbo.

Transitivo direto x Transitivo indireto

Ele pode ser transitivo direto ou transitivo indireto. No primeiro caso, ele não exige o uso da preposição e é sinônimo de acarretar. Então, o certo é dizer:”aumento da inflação implica aumento de preços”, e não “implica em aumento de preços”.

Já como transitivo indireto,  o verbo é sinônimo de pirraçar ou perturbar.

ex: A sogra implica com o genro.

Continue reading

Crase com horas: “De 19h a 22h” x “das 19h às 22h”

De 19h a 22h ou Das 19h Às 22h-

Pergunta do leitor: Pedro, tenho dúvidas em relação às horas. De 19h às 22h ou das 19h às 22h. Quando tem crase? E qual a melhor forma de escrever expressões sobre intervalos de tempos como estes?

Sem crase

O segredo para resolver essa dúvida é manter o paralelismo. Se você utilizar a preposição “de”, então não haverá crase no “a” e ele também não poderá estar no plural. Nesse caso, o “a” é apenas uma preposição.

ex: O evento acontecerá de 19h a 22h.

Continue reading

Descomplicando o pronome relativo

Como identificar o pronome relativo na frase? Neste artigo, vamos mostrar uma dica prática para resolver essa questão. Vejamos!

Substantivo

O pronome relativo sempre virá depois de  um substantivo ou de um termo substantivado (por exemplo, oração subordinada subjetiva).

Exemplificando:

1 – Dizem que faz mal.

O “que” vem depois de um verbo, então não pode ser pronome relativo. Nesse caso, o “que”é uma conjunção integrante.

2 – Este estudo, que fala sobre direitos humanos, é revelador.

Veja que o “que” vem antecedido por um substantivo (“estudo”). Então, é pronome relativo.

Continue reading

« Older posts

© 2024 Clube do Português

Theme by Anders NorenUp ↑

#CodigoClever