Língua Portuguesa e Literatura para o Enem

Tag: produção de texto

Impessoalização da linguagem: o que é e como usar?

A impessoalização da linguagem é uma das principais características de um texto formal, sobretudo do tipo dissertativo-argumentativo, cobrado na maioria das redações de concursos e vestibulares.

Isso porque em textos formais muitas vezes é preciso omitir os agentes da narrativa, ocultando a opinião pessoal, atenuando o diálogo e, consequentemente, adotando uma posição impessoal sobre a questão abordada.

Quer aprender mais sobre a impessoalização da linguagem e saber como usá-la corretamente? Então, acompanhe a leitura!

O que é impessoalização da linguagem?

A impessoalização da linguagem é uma técnica de construção textual que ajuda a eliminar ou atenuar a subjetividade em uma redação, sendo a impessoalidade essencial em textos dissertativos-argumentativos.

Isso porque, conforme mencionamos, além desse ser o tipo textual mais cobrado em vestibulares e concursos, ele também exige que um ponto de vista seja apresentado e defendido sem indícios de que se trata de uma opinião.

Em outras palavras, você não deve demonstrar que está expressando seu ponto de vista, porém ele acaba transparecendo de alguma forma no texto. Parece complexo, mas é bem simples. Para que você entenda melhor, veja o exemplo abaixo:

  • Ao invés de usar a frase: “acredito que as reuniões devem ser mais rápidas”, opte por: “reduzir o tempo das reuniões é fundamental para aumentar a produtividade da empresa”. 
Continue reading

Redação do Enem 2024: como conseguir pelo menos 900 pontos?

Uma redação nota mil no Enem tornou-se o sonho de muitos jovens brasileiros nos últimos anos. No entanto, apesar de não ser algo impossível, é um feito que depende de uma série de fatores para ocorrer (é uma mistura de competência, conhecimento prévio do tema e um pouco de sorte).

Uma mistura que nao acontece todo dia. Por isso que menos de 0,005% dos estudantes que fazem o exame alcançam a nota máxima na redação.

Esse cenário, contudo, fica muito mais favorável quando olhamos estudantes que tiraram notas acima de 900 pontos. Segundo dados do Inep (organizador da prova), aproximadamente 10% das pessoas que fazem o Enem conseguem alcançar esse resultado. E essa pontuação já é um baita diferencial e garante vaga na maior parte dos cursos das melhores universidades públicas do país.

E se, por um lado, tirar a nota mil não depende somente dos seus estudos, tirar 900 é algo que está ao alcance de qualquer estudante dedicado que domine as técnicas corretas e entenda a estrutura da redação.

Para escrever uma boa redação dissertativa-argumentativa, fique ciente de que a banca do Enem possui regras bem específicas e de que você deve conhecê-las para não perder ponto à toa.

Portanto, veja a seguir como você será avaliado e as principais dicas que o Clube separou para você garantir pelo menos 900 pontos na redação do Enem!

Como a redação aparece no Enem?

Para começar, vamos entender como a redação aparece no Enem.

Em regra, a redação está no caderno do primeiro domingo do Exame, junto com as provas de Ciências Humanas (45 questões de geografia, história, filosofia e sociologia) e de Linguagens e Códigos (mais 45 questões de língua portuguesa, literatura e língua estrangeira).

Para responder às 90 questões e escrever a redação de 30 linhas, o candidato tem 5h30.

O comando da redação está logo após as questões de Linguagens e Códigos. Já a folha de rascunho está na última página do caderno de provas.

Em geral, o tema da redação virá junto com quatro textos motivadores, que podem ter diferentes formatos (infográfico, resenha, crônica, notícia, etc.). Veja um exemplo na imagem abaixo:

Exemplo de comando da Redação do Enem.

Como você viu, a redação não será sua única missão no primeiro dia de prova. Por isso, é imprescindível ter uma boa preparação para fazer uma gestão inteligente do seu tempo.

Como estudar para a redação do Enem?

Não se engane! Para conseguir garantir pelo menos 900 pontos na redação do Enem, você vai precisar se preparar para essa importante parte da prova. Por isso, listamos abaixo 5 dicas para estudar para a redação:

1) Domine a estrutura básica do texto dissertativo-argumentativo

Nós vamos detalhar melhor esse tópico abaixo, mas vale pontuar aqui que a tipologia textual da redação do Enem é o texto dissertativo-argumentativo, que se divide, basicamente, em três etapas:

  • apresentar sua opinião sobre o tema (tese);
  • defender seu ponto de vista com argumentos;
  • concluir com uma proposta de intervenção.

2) Fique por dentro das atualidades

Apesar de muitos estudantes ficarem apreensivos com o tema da redação do Enem, é importante entender que a prova é feita de forma que um estudante de ensino médio consiga resolvê-la.

Assim, o tema proposto estará dentro do campo de conhecimento do aluno. Então, você não precia gastar seu tempo tentando adivinhar o assunto. Basta se manter por dentro das atualidades e ter um repertório cultural que te permita contextualizar esses tópicos.

3) Inclua a redação no seu plano de estudos

O grande filósofo grego Aristóteles dizia que“ nós somos o que repetidamente fazemos. Excelência, então, não é um ato, mas um hábito.”

Trazendo esse pensamento para o contexto do Enem, você só vai escrever melhor se escrever sempre, repetidamente, até que se torne um hábito.

Por isso, para se diferenciar dos concorrentes e estar no seleto grupo que vai tirar mais de 900, é fundamental você produzir redações periodicamente. Sua nota vai ser reflexo da sua prática.

Nesse sentido, reserve um dia fixo na sua semana para escrever um texto. Isso vai te ajudar de diversas maneiras. Primeiro, vai te manter atualizado sobre os principais temas. Segundo, vai te permitir criar uma estrutura de redação, o que vai te ajudar muito a não ficar travado na hora da prova.

Por fim, você vai conseguir simular as condições dia da prova e calcular o tempo que leva para escrever.

4) Peça para alguém corrigir seus textos

Ter um mentor que possa ler e corrigir seus textos é fundamental. Pode ser um professor, um amigo ou um parente de confiança. Isso vai permitir que você identifique seus principais pontos de melhoria.

Ademais, essa pessoa também vai agregar um novo ponto de vista sobre suas redações, o que ajudará a enriquecer seu repertório cultural.

5) Mapeie seus principais erros ortográficos e gramaticais

A partir da correção dos seus textos, crie um glossário com as palavras que você mais erra e também identifique sinônimos para elas.

Sistematize também as regras gramaticais que mais geram erros nos seus textos. Crie mapas mentais ou resumos sobre esses tópicos para te ajudar a fixar as normativas.

Outro ponto fundamental no estudo para a redação é compreender bem as comeptências que serão avaliadas. Vejamos!

Como a redação do Enem é corrigida?

Afinal de contas, como a sua redação é corrigida? De onde vem a nota final? Vamos entender melhor agora.

Primeiramente, sua redação é digitalizada e enviada aleatoriamente para dois corretores de diferentes partes do país, que estão cadastrados no banco de dados do Inep.

Essas duas pessoas, que devem ser formadas em Letras ou Linguística, vão ler o seu texto, sem saber que você é, e vão atribuir uma nota. Se essa nota for muito discrepante (uma deu 700 e a outra 900), sua redação será enviada para um terceiro corretor. Se, ainda assim, a discrepância persistir, seu texto será avaliado por uma banca de correação composta por três professores.

Mas o que é considerado uma discrepância? Isso acontece quando as notas do avaliadores:

  • tiverem uma diferença de mais de 100 pontos no total;
  • apresentarem uma diferença superior a 80 pontos em alguma das competências.

A nota final da sua redação é a média simples das notas atribuídas por esses corretores. Vale dizer ainda que essa nota sai junto com o resultado das outras provas do Enem.

Além disso, o espelho, que indica a pontuação em cada uma das competências e tem a cópia digitalizada da sua redação, é liberado um pouco depois. Esse documento é fundamental para quem quer entrar com recurso contra a banca examinadora.

A avaliação do corretor será toda feita com base nas cinco competências listadas no manual do candidato. Vejamos quais são elas!

Conheça as cinco competências da redação do Enem 

As competências do Enem são os critérios que norteiam a avaliação da sua redação pela banca examinadora. Cada competência vale 200 pontos, totalizando mil pontos ao final.

A pontuação de cada competência está dividida em seis faixas de notas:

  • 200 pontos (cumpriu todos os critérios)
  • 160 pontos (cumpriu quase todos os critérios, com poucas inadequações)
  • 120 pontos (cumpriu parte dos critérios, de forma mediana)
  • 80 pontos (cumpriu parte dos critérios. mas de forma insuficiente)
  • 40 pontos (descumpriu quase todos os critérios)
  • 0 ponto (descumpriu todos os critérios)

Isso significa que, na melhor das hipóteses, para tirar uma nota acima de 900, você vai precisar alcançar 200 pontos em pelo menos 3 competências.

Para te ajudar nessa missão, vamos te explicar, de forma esquematizada, cada uma das competências e mostrar tudo que você precisa fazer para garantir o máximo de pontos possível.

Competência I: Demonstrar domínio da modalidade escrita formal da Língua Portuguesa

A primeira competência da Matriz de Referência do Enem avalia o domínio que o candidato possui da norma culta da Língua Portuguesa. Na prática, o que a banca espera do candidato é um léxico variado, respeito à ortografia e boas estruturas sintáticas, a fim de garantir uma leitura fluida e clara.

Contudo, é importante não confundir léxico variado, que é um amplo conhecimento e emprego de palavras, com preciosismo linguístico!

O preciosismo é um vício de linguagem que consiste no uso excessivo de palavras rebuscadas e não usuais, o famoso “falar difícil”. Muitos pensam que isso automaticamente passa certa credibilidade e demonstra domínio da língua, enquanto, na verdade, esses vocábulos afastam a clareza e a inteligibilidade imediata do leitor.

Portanto, evite correr riscos e aposte numa linguagem simples, porém correta. Afinal, o que se espera do estudante é o domínio da linguagem padrão, aquela que encontramos em jornais, sites e revistas de referência.

No mais, preocupe-se principalmente com a forma como seus períodos são construídos, certificando-se de que eles estão completos e contribuem para a fluidez da leitura. De modo geral, prefira orações na ordem direta e períodos curtos, entre duas e três linhas, no máximo. 

Contudo, você não deve confindir simplicidade com mediocridade. É importante destacar que os corretores esperam que os períodos apresentem certa complexidade em sua construção, com uso de orações subordinadas e intercaladas.

Por isso, é fundamental você incluir esse tipo de construção pelo menos uma vez por parágrafo.

De qualquer forma, para dominar esta competência, não há outro caminho a não ser muita leitura e estudo da gramática normativa.

Quantidade de erros aceita

Essa competência permite que você cometa dois desvios ortográficos. Vale destacar que uma mesma palavra escrita erroneamente várias vezes conta como um erro só. Por exemplo, se você escreveu a palavra “cópia” sem acento várias vezes, isso será considerado um erro somente.

Você também pode ter um erro de estrutura sintática (pontuação, construção frasal, etc.).

Se se mantiver dentro dessa quantidade, você não será penalizado na competência I.

Como relação aos desvios, a Cartilha de Redação do Enem chama atenção para os seguintes pontos:

  • convenções da escrita – respeito às regras ortográficas (acentuação, uso do hífen, uso de letras maiúsculas e minúsculas, separação silábica, etc.);
  • regras gramaticais – regência verbal, concordância, tempos e modos verbais, paralelismo, crase, pontuação e colocação pronominal;
  • escolha do registro – respeito à modalidade de escrita formal, sem marcas de oralidade ou informalismos;
  • escolha vocabular – escolha precisa das palavras, utilizando-as com sentido correto e com adequação ao contexto.
Continue reading

© 2024 Clube do Português

Theme by Anders NorenUp ↑

#CodigoClever