É possível usar crase com palavras ocultas? Neste artigo, vamos responder essa questão e mostrar como funciona o acento grave nesses casos. Vejamos!

A sentença “Quem não é visto não é lembrado” faz sentido? Para um monte de coisas, não é? Porém, no mundo da Língua Portuguesa, não é bem assim. A ocultação de palavras é permitida e bem comum, mas a omissão da crase onde ela for exigida, não.

Mais do que isso, é obrigatória. Até porque tal palavra não desaparece simplesmente; ao contrário, como o termo regente da oração, deve continuar existindo na cabeça do leitor para que a sentença persista fazendo sentido.

Omita, mas não se esqueça

Por isso, para não repetir um termo da oração ou, ainda, para adotar um pronome que o substitua, não hesite em omitir a palavra, como no exemplo:

“A sua letra é semelhante à do professor.”

Lembrando: em geral, a “temida” crase é o fruto da contração da preposição a com o artigo feminino a. Ela também acontece quando a união é com a inicial dos pronomes aquele, aquela, aquilo e qual. O sinal gráfico indicativo de crase é o acento grave (`) que aparece na frase acima.

O exemplo acima mostra que a palavra oculta (“letra”) conta como se estivesse escrita, ou seja, que essa supressão não tira a obrigação de escrever com crase. Talvez, o erro aconteça por influência de um termo no masculino mais próximo do “a” em questão.

Damos mais um exemplo:

  • Brasil teria menos 58.500 mortes por covid-19 se mortalidade fosse igual à do Sul.

Originalmente, a manchete do portal Poder 360 veio sem crase. Mas ela é necessária porque se refere à palavra “mortalidade”, que é feminina. Portanto, na dúvida, a recomendação é substituir o termo feminino de referência por um correspondente masculino e observar o que acontece:

  • A região Norte do Brasil teria menos 58.500 mortes por covid-19 se índice fosse igual ao do Sul.

Vale destacar que essa substituição não precisa ser feita por um sinônimo. O vocábulo (masculino) só deve manter a mesma estrutura sintática.

À moda subentendida

Vale lembrar ainda o caso da crase obrigatória mesmo diante de palavras masculinas, sempre que subentendem as expressões (locuções) à moda de e à maneira de. Assim:

  • Arroz à grega (= à moda grega)
  • Bife à parmegiana (= à moda parmegiana)
  • Sair à francesa (= à moda francesa)
  • Escrita à Machado de Assis (= à moda de Machado de Assis)
  • Fazer à sua maneira (= à maneira dela/e)
  • Gol à Pelé (= à maneira de Pelé)

*

Gostou deste post? Aprofunde ainda mais seus conhecimentos com nosso guia completo da crase.