Língua Portuguesa, Literatura e Alfabetização

Vírgula: guia completo de quando utilizar

O uso da vírgula é um dos temas que mais gera dúvidas na hora de produzir um texto. Por isso, neste artigo, listamos os casos em que esse sinal de pontuação é obrigatório, proibido e facultativo. Vamos lá!

Guia completo da vírgula

Ordem direta

Antes de avançarmos, é preciso lembrar que, para utilizar bem a vírgula,  é importante conhecer bem a ordem direta:

  • Sujeito + Verbo + Complemento Verbal;
  • Sujeito + Verbo de Ligação + Predicativo.

Em regra, alterações nessa sequência demandam o uso da vírgula. Dito isso, vamos explorar todas as situações que envolvem esse sinal de pontuação.

Quando utilizar a vírgula?

Vejamos abaixo quando usar vírgula obrigatoriamente.

1) Intercalações

Em geral, as intercalações ocorrem quando há uma quebra da ordem direta e o termo deslocado fica no meio da frase. Nessas situações, o trecho ou elemento intercalado deve ficar entre vírgulas.

Vejamos os principais casos de intercalação:

  1. a) Do adjunto adverbial:

Ex: saiu, naquela manhã, para assumir o novo posto.

  1. b) Da conjunção:

Ex: sabia, todavia, que não poderia mais retornar.

  1. c) Dos termos explicativos ou corretivos:

Ex: ele era um homem dedicado, isto é, não faltava nunca.

2) Inversões

Nas inversões, geralmente, o termo deslocado vai para o início da frase. Nesses casos, teremos frases com vírgula usa-se a pontuação para marcar a inversão ou o deslocamento:

  • Naquela manhã de domingo, ele saiu para comprar pão.
  • Para não entrar em conflito, Júlia decidiu se calar.
  • Tendo em vista as decisões anteriores, os advogados previam a condenação do cliente.

3) Objeto direto pleonástico anteposto

O objeto direto pleonástico ocorre quando há uma repetição do termo para intensificar o seu sentido.  Nos casos em que esse objeto vem anteposto ao verbo, a vírgula é obrigatória:

  • Às crianças, toda atenção lhes deve ser dada.
  • Aquela canção, escuto-a sempre que estou triste.
  • O presente, Maria recebeu-o com muita alegria.

4) Lugar x Data

Se quiser saber como usar a vírgula corretamente, saiba que o uso da pontuação é mandatório para separar o nome do lugar da data:

  • Brasília, 25 de janeiro de 2015.
  • Atenas, 13 de dezembro de 1522.
  • Rio de Janeiro, 25 de janeiro de 2022.

5) Verbos de elocução

Os verbos de elocução são aqueles que indicam a forma de alguém se exprimir. Alguns exemplos são: responder, perguntar, dizer, concordar, esbravejar, exclamar, questionar, etc.

  • Nas orações, esses termos devem vir separados por vírgula:
  • Não vou mais discutir com você, disse eu, e desliguei o celular.
  • Que calor, resmungou a senhora que estava na praia.
  • A comida vai queimar, alertou a cozinheira, precisa mexer a panela.

6) Coordenação e enumeração

Usa-se vírgula para separar termos coordenados de qualquer natureza: símbolos, palavras, orações, etc. Nesses casos, diz-se que a vírgula é utilizada para isolar uma enumeração:

  • Maria foi à feira comprar feijão, laranja, carne e verduras.
  • O mar, as estrelas, a lua e o sol sempre despertaram a criatividade dos poetas.
  • Discutir com a esposa, tratar mal os filhos, não ajudar a comunidade: tudo isso demonstra a fraqueza de um homem.

7) Elipse verbal

Usa-se vírgula para marcar a elipse verbal. Nesses casos, o verbo fica subentendido onde colocar vírgula

Ex: Joana foi ao cinema; e Maria, ao teatro.

Importante ressaltar que, segundo o professor Fernando Pestana, só usamos a vírgula para marcar a elipse quando as orações vêm separadas por ponto e vírgula ou ponto final. Caso contrário, não há vírgula.

Ex: Rui saiu pela porta da frente e Marcos pela de trás.

OBS: A elipse é usada para evitar a repetição de palavras. Entenda melhor no vídeo abaixo:

8) Aposto

O aposto é um termo usado junto a outro com valor de substantivos ou pronomes para explicá-lo ou especificá-lo. Ele deve vir sempre separado por vírgula.

Ex: Dom Pedro I, imperador do Brasil, teve um papel histórico importante.

Exceção: No caso do aposto especificativo, não devemos usar a vírgula. Esse tipo de aposto, em geral, é um nome próprio e é usado para individualizar um termo.

Ex: sou um grande admirador do escritor Machado de Assis.

9) Vocativo

O vocativo é um termo da oração usado para fazer um chamamento ou uma interpelação. Ele deve obrigatoriamente vir separado por vírgula.

Ex: Ó meu Deus, não entendo por que encontro tantas dificuldades em minha vida.

Vale ressaltar que, diferentemente do que ocorre com o aposto, o vocativo pode ser deslocado para qualquer parte da frase e é onde usar vírgula é obrigatório para separá-lo.

Ex: não entendo, ó meu Deus, por que encontro tantas dificuldades em minha vida.

Ex: não entendo por que encontro tantas dificuldades em minha vida, ó meu Deus.

10) Polissíndeto

O polissíndeto é uma figura de linguagem que consiste na repetição do conectivo, como forma de reforçar uma ideia. Nesses casos, devemos utilizar a vírgula para separar os conectivos repetidos:

  • Ele corria, e pulava, e dançava, e gritava.
  • Você vai, ou para, ou volta….
  • Nem você, nem eu, nem ninguém vai mudar o que já passou.

11) Vírgula com “e”, “ou” e “nem” 

De forma geral, antes das conjunções “e”, “ou” e “nem”, não se deve utilizar a vírgula. Há, contudo, alguns casos específicos em que o sinal de pontuação é necessário. Vejamos!

11.1) Vírgula com “e”

  1. a) Polissíndeto

Ex: gritava, e esbravejava, e esperneava, e batia.

  1. b) Para dar realce a uma ideia

Ex: disse que ia falar poucas e boas para a sogra, e falou mesmo.

  1. c) Em orações coordenadas com sujeitos diferentes

Ex: Mauro entrou pela sala, e Paulo saiu pela cozinha.

  1. d) Com a construção “e não”

Ex: você deve estudar um pouco constantemente, e não estudar 10 horas em um dia só.

11.2) Vírgula com “ou”

Entenda o uso da vírgula com “ou”:

  1. a) Polissíndeto

Ex: ou saímos, ou ficamos, ou paramos de reclamar.

  1. b) Na expressão “ou seja”

Ex: ele deveria rever o que falou, ou seja, deveria pedir desculpas à esposa.

  1. c) Para destacar uma alternativa

Ex: o presidente, ou quem vier a sucedê-lo, enfrentará muitos desafios no próximo mandato.

  1. d) Para separar orações coordenativas sindéticas alternativas 

Ex: fale agora, ou cale-se para sempre.

11.3) Vírgula com “nem”

  1. a) Polissíndeto

Ex: nem Maria, nem João, nem Rui vão conseguir resolver essa questão.

  1. b) Para dar realce a uma ideia

Ex: ele não obedeceu a ordem, nem deveria.

12) Conjunção explicativa

A vírgula é obrigatória antes das orações coordenadas explicativas. Como usar a vírgula é obrigatório, toda conjunção explicativa deve ser precedida pela pontuação:

  • Não fui à reunião, porque estava doente.
  • Não fui à reunião, dado que estava doente.
  • Não fui à reunião, uma vez que estava doente.

13) Conjunção adversativa

A conjunções adversativas, aquelas que indicam contrariedade ou oposição, devem ser sempre precedidas por vírgula:

  • Você deveria ter feito suas tarefas, mas decidiu ficar brincando.
  • Você deveria ter feito suas tarefas, contudo decidiu ficar brincando.
  • Você deveria ter feito suas tarefas, porém decidiu ficar brincando.

14) Conjunção conclusiva

Todas as conjunções conclusivas devem ser precedidas por vírgula, visto que é obrigatório o uso desse sinal de pontuação nas orações coordenadas conclusivas:

  • Eu estudei bastante, por isso fui aprovado.
  • Eu estudei bastante, logo fui aprovado.
  • Eu estudei bastante, assim fui aprovado.

15) Vírgula com “pois” e “porque”

Com as conjunções “pois” e “porque”, temos algumas regras específicas sobre o uso da vírgula. Vejamos.

15.1) Vírgula com “porque”

Veja agora como usar a vírgula com “porque”

  1. a) Como conjunção explicativa

Quando “porque” exerce a função de conjunção explicativa, a vírgula é obrigatória.

Ex: ele não veio à festa, porque estava trabalhando

  1. b) Como conjunção causal

Quando “porque” funciona como conjunção subordinativa causal, a vírgula é facultativa.

Ex: Joana foi ao hospital porque estava doente.

Ex: Joana foi ao hospital, porque estava doente.

15.2) Vírgula com “pois”

  1. a) Conjunção explicativa

Quando “pois” for conjunção explicativa, a vírgula virá somente antes do termo.

Ex: ele não foi à festa, pois estava trabalhando.

  1. b) Conjunção conclusiva

Já quando funcionar como conjunção conclusiva, “pois” deverá vir entre vírgulas e sempre posposto ao verbo.

Ex: Rita era uma funcionária exemplar. Foi, pois, muito homenageada quando se aposentou.

16) Oração adjetiva

A vírgula é obrigatória antes da oração adjetiva explicativa e proibida antes da oração adjetiva restritiva.

Ex: o racismo estrutural é um problema grave do Brasil, que foi o último país do mundo a abolir a escravidão. (explicativa)

Ex: os estudantes que desejam fazer a prova no domingo devem informar essa opção no momento da inscrição. (restritiva)

17) Vírgula com “etc.”

De acordo com o gramático Pasquale Cipro Neto, a vírgula antes da expressão “etc.” é facultativa. Contudo, quando esse termo vier repetido, a vírgula torna-se obrigatória.

ex:  todos sabem como fazer um bolo, você acrescenta farinha, fermento, etc., etc., etc.

Vale ressaltar, porém, que o Vocabulário Oficial da Língua Portuguesa (Volp), da Academia Brasileira de Letras, indica que é obrigatório o uso da vírgula antes de “etc.”.

18) Vírgula com adjunto adverbial

Quando um adjunto adverbial está deslocado da posição convencional em uma frase, ele deve ser separado por vírgula.  Quando há alteração da ordem direta de uma frase, a vírgula deve ser utilizada. Veja a seguir.

ex: Hoje pela manhã, corri pela rua de casa.

Quando não utilizar a vírgula?

E quando não usar vírgula? Para entender quando isso acontece, vamos conhecer os 7 pecados capitais do uso da vírgula agora mesmo.

1) Separar sujeito de verbo:

Ex: Mauro, saiu hoje pela manhã. (errado)

Ex: Mauro saiu hoje pela manhã. (certo)

2) Separar nome e complemento nominal:

Ex: o ataque, ao Iraque foi um dos maiores erros dos EUA. (errado)

Ex: o ataque ao Iraque foi um dos maiores erros dos EUA. (certo)

3) Separar verbo do objeto direto:

Ex: Paulo usou, a preposição de modo incorreto. (errado)

Ex: Paulo usou a preposição de modo incorreto. (certo)

4) Separar verbo de objeto indireto:

Ex: Márcio chegou, ao restaurante na hora combinada. (errado)

Ex: Márcio chegou ao restaurante na hora combinada. (certo)

5) Separar nome do adjunto adnominal:

Ex: a casa, de Joana fica ao lado da minha. (errado)

Ex: a casa de Joana fica ao lado da minha. (certo)

6) Separar a oração principal da oração subordinada adjetiva restritiva:

Ex: aqueles, que se inscreveram no curso, devem adquirir o material didático. (errado)

Ex: aqueles que se inscreveram no curso devem adquirir o material didático. (certo)

Vale destacar que, no primeiro exemplo, não há erro. Contudo, a oração adjetiva separada por vírgula deixa de ser restritiva para tornar-se explicativa.

7) Separar a oração principal da oração subordinada substantiva:

Ex: saber tudo o que está previsto na Constituição, é muito difícil. (errado)

Ex: saber tudo o que está previsto na Constituição é muito difícil. (certo)

Há uma exceção a essa regra. Quando tivermos uma oração subordinada substantiva apositiva (com função de aposto), ela deve ser separada por vírgula.

Vírgula facultativa

A vírgula facultativa acontece nos 10 casos abaixo.

1) Antes do adjunto adverbial na ordem direta:

Ex: ela saiu para fazer compras hoje pela manhã.

Ex: ela saiu para fazer compras, hoje pela manhã.

2) Depois de objeto direto ou indireto no início da oração:

Ex: os meus estudantes eu educo.

Ex: os meus estudantes, eu educo.

3) Antes da conjunção “e” ligando orações coordenadas com sujeitos diferentes:

Ex: Marcelo chegou e Ana saiu.

Ex: Marcelo chegou, e Ana saiu.

4) Após o adjunto adverbial de curta extensão:

Ex: À noite, Marta faz exercícios.

Ex: À noite Marta faz exercícios.

OBS: segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), o adjunto adverbial de curta extensão é aquele formado por até dois termos.

5) Com a expressão opinativa ou dativo de opinião:

Ex: esse problema na minha opinião está resolvido.

Ex: esse problema, na minha opinião, está resolvido.

6) Antes de orações subordinadas adverbiais na ordem direta:

Ex: eu vou ao cinema se você me chamar.

Ex: eu vou ao cinema, se você me chamar.

7) No final da oração adjetiva restritiva:

Ex: os trabalhadores que felizmente conseguiram manter seus empregos podem sustentar suas famílias.

Ex: os trabalhadores que felizmente conseguiram manter seus empregos, podem sustentar suas famílias.

OBS: não há consenso entre os gramáticos sobre esse caso de vírgula. Contudo, estudiosos como Napoleão Mendes de Almeida, abonam esse uso.

8) Após as conjunções adversativa no início do período:

Ex: a investigação estava encerrada. Contudo, surgiram novas provas que podem levar à reabertura da investigação.

Ex: a investigação estava encerrada. Contudo, surgiram novas provas que podem levar à reabertura da investigação.

OBS: com a conjunção “mas”, essa regra não se aplica e a vírgula nunca deve ser utilizada. Faça exercícios de vírgula para praticar!

9) Antes do “ou” ligando orações:

Ex: vamos solucionar essa questão de qualquer jeito ou morreremos tentando.

Ex: vamos solucionar essa questão de qualquer jeito, ou morreremos tentando.

10) Sujeito oracional introduzido por “quem”:

Ex: quem lê entende melhor.

Ex: quem lê, entende melhor.

OBS: esse caso também não é pacífico entre os gramáticos. Contudo, alguns estudiosos da língua, como Luiz Antônio Sacconi, Pasquale Cipro Neto e Carlos Moreno, defendem o uso da vírgula nessas situações.

Vírgula Vicária

Vicário é aquele que substitui algo. Nesse caso, utilizamos uma figura de linguagem que se chama zeugma, quando há emissão de uma palavra já citada anteriormente. O uso da vírgula vicária é o seguinte: 

Ex: você conta um segredo para mim e eu, para você (Você conta um segredo para mim e eu conto um para você).

*

No infográfico abaixo, fizemos um resumo do uso da vírgula para você consultar sempre que tiver dúvida:

[INFOGRÁFICO] Guia completo da vírgula

***

Inscreva-se para fazer parte do clube de português gratuitamente e receber dicas para te deixar afiado na língua.

*

Quer aprofundar seus conhecimentos na língua portuguesa? Então, continue seus estudos com a Gramática On-line do Clube do Português.

5 Comments

  1. Eric

    Ótimo post, amigo. Uma dúvida que fiquei em relação ao exemplo da Elipse Verbal: a virgula não poderia vir antes do “e”, deixando a frase, “Joana foi ao cinema, e Maria ao teatro”?

    Caso a resposta seja não, poderia me explicar o porquê?

    Grato!

    • admin

      Oi, Eric.

      Nesse caso, a vírgula ante do ‘e’ estaria errada, pois quebraria a coordenação entre as orações. O que você pode fazer é substituir o ‘e’ por um ponto e vírgula: “Joana foi ao cinema; Maria, ao teatro”.

  2. Eric

    Ah, e parabéns pelo design do infográfico, eu como designer gráfico sempre fico contente em ver uma boa escolha de paleta de cores 😄

    • admin

      Muito obrigado, Eric! Minha especialidade é texto, mas tenho me esforçado para aprender um pouco mais sobre design também. 🙂

  3. Mari

    No exemplo: Joana foi ao cinema e Maria, ao teatro.
    Não deveria ter ponto e vírgula antes do “e” devido à mudança de sujeito na segunda oração?
    Ficaria: Joana foi ao cinema;e Maria,ao teatro.

Deixe um comentário

© 2022 Clube do Português

Theme by Anders NorenUp ↑