Para conhecer as competências socioemocionais da BNCC, precisamos, antes de tudo, falar sobre as emoções. Assunto que é constantemente estudado em todos os campos das nossas vidas. Desde a biologia até a psicologia, as emoções são abordadas constantemente e, no contexto escolar, isso não seria diferente. 

Na BNCC – Base Nacional Curricular Comum, as competências socioemocionais são encontradas nas 10 competências gerais, conforme exigido pelo MEC. Isso significa que todas as escolas precisam contemplar tais competências em seus currículos. 

Para que você entenda melhor sobre as competências socioemocionais da BNCC, neste artigo, falaremos detalhadamente sobre o assunto. Confira a seguir!

Competências socioemocionais na Base Nacional Comum Curricular (BNCC)

Afinal, o que são competências socioemocionais?

As competências socioemocionais, também chamadas de competências não cognitivas, consistem na capacidade de uma pessoa administrar as suas próprias emoções e se relacionar consigo e com os outros. Neste sentido, podemos referenciá-las como as habilidades desenvolvidas desde a primeira infância, até a vida adulta. 

Assim, a educação socioemocional trata do processo de compreensão e manuseio das emoções, diante das situações ocorridas dentro e fora da escola. Em outras palavras, a capacidade de pensar, sentir e se comportar perante as circunstâncias, é formada pelas competências socioemocionais. 

Nesse contexto, especialmente quando falamos em sala de aula e grupos de crianças e adolescentes, é importante compreendermos como essas competências funcionam. Um bom exemplo disso, é pensarmos nas exigências do dia a dia, no âmbito escolar. Os alunos normalmente precisam:

  • concentrar-se em determinadas tarefas;
  • resolver situações difíceis;
  • comunicar-se uns com os outros;
  • ter empatia com os colegas;
  • adaptar-se às mudanças;
  • aprender coisas novas e que nem sempre são simples.

Todas as possíveis circunstâncias destacadas exigem habilidades socioemocionais. Dito de outra forma, é necessário que os alunos lidem com as emoções de forma adequada, antes de responder às situações acima. A boa notícia é que as competências socioemocionais podem ser desenvolvidas e aprendidas, conforme veremos nos próximos tópicos.

Quais são as 5 competências socioemocionais da BNCC?

Conforme dito anteriormente, as competências socioemocionais estão presentes na BNCC e foram validadas conforme orientação do CASEL– organização internacional sem fins lucrativos, que estuda o desenvolvimento socioemocional. Conheça-as abaixo:

1. Autoconsciência

A autoconsciência é a habilidade de se conhecer profundamente. Ela é importante para a avaliação de forças e limitações, ou seja, os pontos fracos e fortes de si. 

2. Autogestão

Além de conhecer a si, é importante saber gerenciar os impulsos e planejar as metas. Estas são as habilidades da autogestão.

3. Consciência Social 

A consciência social nada mais é que o exercício da empatia, ou seja, a habilidade de se colocar no lugar do outro, respeitando o espaço e a individualidade. 

4. Habilidades de Relacionamento

Saber se relacionar com as pessoas é algo fundamental. Por isso, essa habilidade consiste também na empatia como na comunicação clara, cooperação com os demais e soluções de conflitos. 

5. Tomada de decisão responsável

Tomar decisões de forma responsável é o mesmo que respeitar as normas e os padrões da sociedade. Afinal, de nada adianta decidir por algo que implicará de maneira negativa na vida de outras pessoas. 

Como trabalhar as competências socioemocionais da BNCC?

Para trabalhar as competências socioemocionais da BNCC, os educadores precisam, primeiramente, compreender cada uma delas, ou seja, os profissionais devem se aprofundar nos temas e entender seus significados. 

Após essa etapa, é importante ter em mente que todas essas habilidades precisam ser desenvolvidas no ambiente escolar, por meio das atividades previstas e também em outros momentos, como nas brincadeiras, recreio, em situações de descontrole, ou posturas inadequadas por parte dos alunos, por exemplo. 

É fundamental que os professores exercitem as competências socioemocionais da BNCC de forma intencional e planejada, respeitando o nível escolar de cada turma.

Além disso, a escola deve promover atividades que estimulem a expressão das emoções e dos sentimentos dos estudantes, como projetos colaborativos, rodas de conversas e momentos de reflexão.

A seguir, você confere algumas possibilidades para trabalhar as competências socioemocionais da BNCC.

1. Oficinas temáticas

As oficinas temáticas são excelentes oportunidades para sair das aulas tradicionais e desenvolver as habilidades socioemocionais. Normalmente, elas usam um tema como base e, a partir dele, são feitos debates e rodas de conversas.

Assim, os alunos conseguem identificar seus pontos fortes e fracos, facilitando a produção de novas atividades, que serão elaboradas após esse confronto de ideias.  

Temas como empatia, autoconhecimento, resiliência, compreensão da individualidade, dentre outros, auxiliam no processo do rompimento de conceitos já existentes. Além disso, promovem o pensamento crítico e a interação entre os alunos. 

2. Espaço para arte

É interessante que a escola tenha um espaço exclusivo para a arte, ou seja, um local para desenhar, fazer autorretratos e até mesmo peças de teatro. Essas atividades auxiliam muito as crianças a enxergarem situações pelas mais diversas perspectivas. 

Os desenhos, autorretratos e peças teatrais são muito úteis para desenvolver as competências socioemocionais no ambiente escolar. Com objetivos bem definidos, os alunos podem explorar as mais diversas habilidades em um só exercício. 

3. Rodas de leitura e sala de vídeo

Livros e filmes, especialmente os que trazem situações complexas, são ideais para o desenvolvimento das competências socioemocionais da BNCC. Isso porque, por intermédio dos fragmentos de histórias, os alunos conseguem compreender as relações existentes ao seu redor.

Um bom exemplo disso é o uso das fábulas que trazem consigo a “moral da história”, elas podem ajudar os estudantes com as habilidades de empatia e consciência social, por exemplo. 

A importância de exercitar as competências socioemocionais da BNCC

Exercitar as competências socioemocionais da BNCC é o mesmo que educar uma criança para a vida. Isso porque as habilidades trabalhadas nesse contexto irão acompanhá-la para sempre. Em outras palavras, muito além da rotina escolar, o exercício das competências socioemocionais será um diferencial também no ambiente profissional.

É importante destacar que, como dissemos no início deste artigo, as emoções são pautas frequentes. Isso porque, todos os dias, precisamos lidar com elas em tudo o que fazemos. Por esta razão, trabalhar as competências socioemocionais da BNCC é preparar o indivíduo para o futuro.

Ademais, a escola é o primeiro lugar a ensinar sobre sentimentos e emoções, e também é o espaço no qual as crianças têm seus primeiros desafios, interações e possibilidades de resolver conflitos. Por isso, as competências socioemocionais devem estar sempre presentes para direcioná-las ao melhor caminho. 

Vale ressaltar ainda que a pandemia do coronavírus teve um impacto relevante em toda a sociedade, o que traz mais relevo para as competências socioemocionais. De acordo com o antropólogo e futurista estadunidense Jamais Cascio, atualmente vivemos em um mundo BANI.

Esse é o acrônimo para Brittle, Anxious, Nonlinear e Incomprehensible, isto é, frágil, ansioso, não linear e imprevisível.

B – Brittle ou Frágil: um contexto em que as as relações sociais são instáveis e não possuem solidez. Isso gera uma sensação de risco constante.

A – Anxious ou Ansioso: a quantidade irrefreável de novidades, de resultados rápidos, impulsionada pelas redes sociais, gera um quadro de ansiedade, que se torna uma doença cada vez mais comum. Essa situação gera o chamado FOMO (fear of missing out), que se caracteriza pelo medo de perder as atualizações e os fotos novos que ocorrem a cada segundo.

N – Nonlinear ou não linear: a evolução tecnológica tornou o acesso à informação muito mais fragmentado. Isso prejudica a relação de causa e efeito e dificulta o entendimento dos fenômenos sociais.

I – Incomprehensible ou incompreensível: por conta do imenso volume de informações disponíveis, muitas vezes nos perdemos sobre o que é o fato ou a verdade. Isso gera vários problemas, como por exemplo a disseminação das fake news e, consequentemente, também o reforço da importância do letramento digital.

Nesse contexto, trabalhar as habilidades socioemocionais é fundamental não só para criar relações sociais mais produtivas, mas também para preservar e promover a saúde mental dos estudantes.

Bullying

Por fim, é importante destacar o papel das competências socioemocionais para a prevenção e combate ao bullying nas escolas.

A Lei nº 13.185, em vigor desde 2016, classifica o bullying como intimidação sistemática, quando há violência física ou psicológica em atos de humilhação ou discriminação. A classificação também inclui ataques físicos, insultos, ameaças, comentários e apelidos pejorativos, entre outros.

Nesse sentido o desenvolvimento socioemocional dos estudantes contribui para que eles encontrem formas mais saudáveis e pacíficas de se relacionar e saibam criar mecanismos de mediação de conflitos mais eficientes para lidar com situações de descontrole emocional.

Além disso, as competências listadas na BNCC também ajudam a fortalecer a integração no ambiente escolar, criando um ambiente de solidariedade entre os corpos docente e discente.

*

Gostou do artigo? Então, vale a pena aprofundar seus conhecimentos com o Guia da Alfabetização.

*

Confira abaixo um infográfico completo sobre as 5 competências socioemocionais da BNCC:

Competências socioemocionais na BNCC - infográfico