O gênero épico é caracterizado por um texto narrativo organizado em versos, cuja principal característica é a presença de um herói e o relato de suas ações. Neste artigo, vamos trazer os principais aspectos. Confira!

Esse gênero é composto de: 

  • narrador; 
  • personagens; 
  • enredo; 
  • tempo;
  •  espaço. 

Ele narra uma sucessão de acontecimentos reais, lendários ou mitológicos, estruturados em proposição (ou prólogo), invocação, dedicatória, relato de fatos e conclusão (ou epílogo), sempre associados ao protagonista, considerado um semideus ou dotado de poderes incomuns. 

A origem do gênero literário surgiu na Antiguidade e, em razão disso, as obras mais antigas e famosas pertencentes a ele são Ilíada e Odisséia, ambas do poeta grego Homero. Essas epopéias influenciaram diretamente a construção de outras ao longo do tempo.

Sobre a origem do gênero épico

O gênero épico surgiu na Antiguidade, por volta do século VII a.C., tendo como representantes o poeta grego Homero (com as obras Ilíada e Odisseia) e o poeta romano, Virgílio, com a obra Eneida.

No entanto, o poema épico mais antigo de que se tem conhecimento na literatura mundial é a epopeia de Gilgamesh, de autor desconhecido, criado na Mesopotâmia, aproximadamente, no 2000 a.C.

Na Idade Média, o grande representante do gênero épico foi Dante Alighieri, poeta italiano, por intermédio de sua obra “Divina Comédia”. Já na Idade Moderna, o gênero foi representado por Luís de Camões, poeta português, com a obra “Os Lusíadas”.

De caráter histórico, as epopeias surgiram com a finalidade de honrar os heróis nacionais, buscando uma maneira de estimular os povos a enfrentarem suas maiores dificuldades com a mesma coragem e a determinação das figuras heróicas. 

Do grego épikos, o gênero épico faz referência à narrativa com a organização em versos, de um fato de interesse geral do povo, por meio de uma poesia narrada, impessoal e objetiva.

Principais características do gênero épico

As principais características do gênero épico são:

  • presença de um narrador: que pode ser onisciente, observador ou mesmo um personagem da história;
  • personagens: planas que possuem características e comportamentos únicos e são facilmente identificadas e lembradas pelos leitores, ou personagens redondas que podem mudar ou se transformar durante o enredo;
  • enredo: toda a trama da história;
  • tempo: seja ele cronológico ou psicológico;
  • espaço: lugar onde os acontecimentos ocorrem. 

Contudo, para ser, de fato, um gênero épico, o texto narrativo precisa, por obrigatoriedade, ser composto por um ou mais personagens de figura heróica e de ações extraordinárias.

A presença de um herói é, portanto, a característica que diferencia um texto narrativo comum de um texto de gênero épico.

Vale lembrar que, a epopeia (ou poema épico) também precisa ser divida em versos e possuir a seguinte estrutura:

  • proposição ou prólogo: a apresentação da temática e menção ao herói;
  • invocação: a inspiração de um ser divino, exigido pelo narrador;
  • dedicatória: parte da epopeia, na qual o autor dedica a obra a uma pessoa de sua escolha;
  • narrativa: a sucessão de acontecimentos vivenciados pelo protagonista;
  • conclusão ou epílogo: a finalização da história.

Posto isso, conclui-se que o gênero épico é uma narrativa que faz referência a um herói destemido que está sempre pronto para enfrentar os obstáculos impostos para o cumprimento de sua missão. Além disso, conta com a presença de seres extraordinários como os deuses, que podem ajudá-lo ou podem causar ainda mais dificuldades durante sua trajetória.

Subgêneros do gênero épico

Além da epopeia, que consiste em um poema épico extenso, com a estrutura de proposição, invocação, dedicatória, narrativa e conclusão, outros textos também se enquadram no gênero por apresentarem um enredo, uma ação, narrador, personagens, tempo e espaço. São eles:

  • Romance: narrativa complexa e extensa, com personagens fictícios que vivenciam acontecimentos em um determinado tempo e espaço na trama.
  • Novela: um pouco mais breve que o romance, porém mais extensa que um conto, Trata-se de uma história dividida em episódios, nos quais é apresentado um desenvolvimento sequencial de enredos interligados.
  • Conto: mais breve que o romance e a novela, trata-se de pequenas narrativas que relatam eventos cotidianos e que, em sua maioria, não expõem as características de seus personagens.
  • Crônica: narrativa de curta duração, na qual se abordam os fatos cotidianos por meio do caráter humorístico, com a finalidade de analisar ou criticar a realidade cultural, social ou política, como os textos jornalísticos, por exemplo.
  • Fábula: narrativas curtas, escritas em prosa ou verso com o objetivo de transmitir uma lição de moral de cunho educativo.

A seguir, um trecho de duas das principais obras citadas neste conteúdo:

“Não tentes reconciliar-me com a morte, ó glorioso Ulisses.

Eu preferiria estar na terra, como servo de outro,

até de homem sem terra e sem grande sustento,

do que reinar aqui sobre todos os mortos.”

Odisseia, XI, 487)

“Heitor, não me fales, ó louco!, de acordos.

Tal como entre leões e homens não há fiéis juramentos,

nem entre lobos e ovelhas existe concordância,

mas sempre estão mal uns com os outros —

assim entre ti e mim não há amor, nem para ambos

haverá juramentos, até que um ou outro tombe morto,

para fartar com seu sangue Ares, portador de escudo de touro.”

Ilíada, XXII, 261

*

Gostou do artigo? Então, continue seus estudos com o nosso Guia da Literatura.