Saber como escrever um poema pode parecer um desafio enorme para algumas pessoas. No entanto, assim como nas demais produções escritas, é necessário se dedicar e explorar ao máximo o potencial criativo, as dicas e técnicas que existem em torno dessa proposta. 

Contudo, antes de escrever um poema, é fundamental compreender que o seu principal objetivo é despertar emoções no leitor e fazê-lo se conectar ao autor por meio das expressões de sentimentos e ideias contidas nele.

Pensando nisso, neste artigo, vamos detalhar os 10 passos abaixo para criar um poema:

  1. Leia poemas;
  2. Escolha um tema;
  3. Explore o mundo ao seu redor
  4. Trabalhe a estrutura externa do poema;
  5. Tenha cuidado com as rimas;
  6. Surpreenda seus leitores;
  7. Conheça as figuras de linguagem;
  8. Produza um rascunho;
  9. Escreva seu poema;
  10. Faça a revisão.

10 passos para escrever um poema

Como escrever um poema

Se você deseja saber como escrever um poema, acompanhe os passos do roteiro abaixo!

1. Leia poemas 

A nossa primeira dica de como escrever um poema é válida para a produção de qualquer conteúdo escrito. Afinal, um bom escritor deve ser, antes de tudo, um bom leitor. Para produzir qualquer texto, é fundamental estar sempre conectado à escrita dos mais diversos autores e gêneros para a ampliação de vocabulário e compreensão de sua estrutura. 

Além disso, no caso dos poemas, é interessante ler clássicos da literatura para se inspirar. Autores como Machado de Assis, Shakespeare e Dante, por exemplo, podem auxiliar muito nessa missão. Busque fazer a leitura de um soneto, um auto e um poema contemporâneo, pois quanto mais diversidade, maior será o seu conhecimento acerca do gênero.

2. Escolha o tema sobre que deseja escrever

Depois de ler bastante e encontrar as inspirações de que tanto precisa, é o momento de definir o tema que deseja escrever. Para isso, é imprescindível pensar nas palavras que serão colocadas no papel.  

Esta é a fase de exploração da estrutura interna do texto, ou seja, do conteúdo do poema. Aqui, o assunto pode ser algo pelo qual você já tenha passado, momentos importantes que gostaria de relatar ou situações vividas por outras pessoas. Dentre os temas de poemas mais comuns, podemos destacar:

  • amor;
  • paixão;
  • afeto;
  • solidão;
  • saudade;
  • morte;
  • vida;
  • infância;
  • amizade;
  • sonhos;
  • sociedade;
  • literatura;
  • política;
  • dentre outros. 

Um bom assunto é aquele que mexe com você intimamente. Assim, uma dica interessante é você escolher um tema que esteja ligado a algo que ou te inspira ou te incomoda.

O poema pode ser uma peça de exaltação de algo que você admira, mas também pode servir como estratégia para fazer uma crítica ou um protesto contra algo que você não gosta, como fizeram, por exemplo, os poetas Sérgio Vaz e Castro Alves.

3. Explore o mundo ao seu redor

O poema é um texto que nasce da observação do mundo, ou seja, das coisas que nos cercam. Em outras palavras, nesse gênero textual, podemos perceber, na maioria das vezes, a presença do canto dos pássaros, das lindas paisagens, do cheiro do café quente e das mais diversas texturas e sabores. Dito de outra forma, muitos poemas nascem de situações cotidianas que são retratadas através de um olhar mais artístico.

Nesse contexto, é essencial explorar os cinco sentidos ao escrever um poema para que os leitores se conectem com aquilo que você deseja transmitir por meio das palavras. Ao falar sobre crianças brincando na rua, por exemplo, o objetivo é descrever a cena de forma a fazer o leitor ouvir o som das risadas e dos pés batendo no chão. 

4. Trabalhe a estrutura externa do poema

A estrutura externa do poema consiste nos aspectos formais do texto escritos, como:

Assim, após definir o tema e explorar os sentidos que mais se encaixam no assunto, é necessário decidir se o seu poema será um soneto ou um poema contemporâneo, no qual estrofes e versos não seguem uma regra específica e assim por diante. 

Nesse ponto, também é importante decidir se você quer fazer um poema metrificado ou um poema livre.

O metrificado também é chamado de poema de forma fixa, porque ele é mais “amarrado” na questão da quantidade de sílabas poéticas, da extensão dos versos, entre outros fatores. Em contrapartida, o poema livre, como o nome diz, confere mais liberdade ao autor e não é preso em uma estrutura pré-determinada.

Forma do poema

Em alguns casos, o poema pode ser escrito em uma forma particular. É o que chamamos de poesia concreta ou poema-objeto. Trata-se de uma experiência visual, que busca criar formas utilizando as palavras do texto, como mostram as imagens abaixo.

Poesia concreta. Augusto Campos.
Poesia concreta. Haroldo Campos.

Se você também quiser escrever um poema nesses moldes, os principais poetas brasileiros concretistas são: Augusto de Campos, Haroldo de Campos, Décio Pignatari e Ferreira Gullar.

5. Tenha cuidado com as rimas 

Caso você opte por um poema com rimas, deve ter em mente que rimar não é tão fácil quanto parece ser. É importante ter cuidado para que as rimas do seu poema não fiquem semelhantes às músicas infantis, isto é, “o sapo não lava o pé, não lava porque não quer”. 

Nos poemas construídos com rimas, as palavras se conectam muito além de seus sons parecidos. Em outras palavras, não basta rimar “fé” com “pé”, é preciso que as rimas apresentem significados e estejam dentro do contexto. Em razão disso, recomendamos que você comece com os versos livre e, aos poucos, escreva textos mais complexos. 

Esse planejamento das rimas é conhecido como esquema rimático. Nesse sentido, para estruturá-lo, é importante entender as diversas classificações das rimas:

  • Classificação da rima quanto à posição no verso
  • Classificação da rima quanto à posição na estrofe
  • Classificação da rima quanto à fonética
  • Classificação da rima quanto ao acento tônico
  • Classificação da rima quanto ao valor

No entanto, vale pontuar que as rimas, por influência do modernismo, não são mais obrigatórias em um poema, apesar de contribuirem bastante para o ritmo e para a sonoridade do texto. Quando não há rimas, dissemos que os versos são brancos ou soltos.

Contudo, você deve saber que determinados tipos de poemas exigem rimas. É o que ocorre, por exemplo, na literatura de cordel e em outros poemas de tipo fixo.

6. Surpreenda os leitores

As pessoas que leem poemas estão cansadas de frases feitas e clichês, pois isso demonstra que o autor não tem criatividade e originalidade, ou seja, não tem repertório literário e de vida. No entanto, aqui, não fazemos referências apenas às palavras. Por isso, é importante evitar também as ideias repetidas ou clichês.

Dito isso, o ideal é surpreender os leitores com textos novos, assuntos atuais e abordagens singulares, que nunca foram produzidas por outros autores. Para fazer isso, busque sempre agregar pontos da sua experiência pessoal e de sua bagagem cultural ao texto, pois sua visão de mundo é única e pode ser seu grande diferencial.

Contudo, nem tudo que está no poema precisa ter conexão direta com a realidade empírica e observável. É por isso que existe um recurso chamado de eu-lírico, um eu poético inventado pelo poeta para expressar suas emoções e sentimentos no poema (e que não se confunde com o próprio poeta).

7. Estude as figuras de linguagem

Todo bom poema traz consigo recursos estilísticos, como é o caso das figuras de linguagem. Elas auxiliam na construção de ideias mais expressivas e ainda ampliam a carga emocional do texto. Dentre as mais usadas, estão a:

  • antítese;
  • hipérbole;
  • metáfora;
  • sinestesia;
  • personificação.

Portanto, antes de começar a escrever o seu poema, conheça essas figuras de linguagem que tornam qualquer escrita mais interessante. Também vale a pena entender melhor as diferentes estratégias de retórica.

Para te ajudar, separamos na playlist abaixo, uma série de vídeos curtos que explicam várias figuras de linguagem:

8. Inicie pelo rascunho

Todo bom texto já foi um rascunho. Isso significa que, até mesmo as grandes ideias passaram por um papel rabiscado antes de ganharem forma. Por essa razão, não saia publicando a primeira coisa que lhe venha à mente. 

Comece jogando as principais frases e ideias no papel ou no editor de textos do seu computador. Anote as inspirações e os objetivos que deseja alcançar com os leitores. Se for preciso, faça mais de um rascunho e, ao fim, passe a limpo. 

Uma estratégia interessante para se usar na construção do rascunho é o outline. Trata-se de uma espécie de esqueleto do texto. Uma estrutura de tópicos simplificada. Funciona da seguinte forma:

  • Defina o tema central;
  • Crie subtemas;
  • Liste 3 ideias-chaves para cada subtema.

Outra dica prática é escrever livremente diversas palavras que se relacionam com o tema que você escolheu. Em seguida, você irá escolher as preferidas nessa nuvem de termos para tentar associá-los em versos e estrofes.

9. Produza o seu poema

Depois de uma ou mais folhas rascunhadas, é o momento de produzir o poema de forma definitiva. No entanto, é fundamental saber que você talvez nunca encontre a perfeição e isso é algo muito comum entre os escritores e tende a ser maior conforme a experiência aumente. O importante é sentir que a obra final está alinhada com os objetivos do rascunho e com sua intenção e seus valores como escritor.

Nesta etapa, é interessante unir tudo o que foi escrito no rascunho e descartar as partes que “sobraram” no texto. Assim, talvez você tenha um poema muito menor que o planejado anteriormente, mas aqui, vale destacar que na maioria das vezes: “menos é mais”. 

10. Revise quantas vezes for necessário

Aquela expressão muito usada na cozinha de “deixar a massa descansar” é incrivelmente eficaz para os textos escritos. Após a produção do seu poema, você deve revisá-lo. Porém, aguarde uns dias para fazer isso, de modo que o seu cérebro “esqueça” o que foi escrito. 

Isso é importante não somente pelos erros de escrita ou ortográficos, mas também para ter a certeza de que o poema conseguiu transmitir o que você realmente planejou.

Se possível, recite o poema e faça essa revisão em voz alta. Assim, você consegue também observar a musicalidade do texto e pode ver se alguma parte está fora de ritmo.

Além disso, vale pedir a um amigo ou familiar que leia e adicione comentários. Isso pode ser muito benéfico para aprimorar os seus textos poéticos cada vez mais, uma vez que o olhar “de fora” pode identificar erros que não conseguimos enxergar e ainda avaliar se a mensagem foi passada de forma correta ao leitor.

Lembre-se que até os maiores poetas tiveram dificuldades no início. Além disso, os escritores da atualidade sempre relatam que, por vezes, sentem-se inseguros e cometem erros. Com o passar do tempo, os seus poemas estarão mais alinhados, completos e satisfatórios aos seus olhos. 

Qual a diferença entre poema e poesia?

Um ponto importante para quem produz textos é entender a diferença entre poema e poesia. Por um lado, o poema é um gênero textual composto de versos, estrofes e, por vezes, rima. Nele há uma preocupação com a estrutura e com a metrificação.

Por outro lado, a poesia é um conceito mais amplo, que indica uma forma de ver o mundo. Nesse sentido, ela é caracterizada pela plurissignificação, ambiguidade e estranheza. Além disso, ela pode ser expressa não somente por textos, mas também por outras formas de expressão artística, como a pintura, o teatro e o cinema.

Para resumir, o poema é visual e concreto. Já a poesia é um tom, é um estilo de linguagem. Ela não pode ser vista, mas apenas sentida. Assim, é possível dizer que a poesia pode ser expressa, entre outras formas, pelo gênero poema.

12 poetas e poetisas da língua portuguesa

Para fechar este artigo e para inspirar quem deseja produzir um poema, trazemos a indicação de 12 poetas e poetisas que escrevem ou escreveram poemas em língua portuguesa em diferentes partes do mundo:

*

Gostou do artigo? Então, vale a pena continuar seus estudos com o nosso Guia da Redação.