O falso prefixo “pseudo” exprime a noção de mentira, falsidade ou enganação. Neste artigo, vamos mostrar quando usar e quando não usar o hífen com esse termo. Confira!

Quando usar hífen com “pseudo”?

Como já mencionado, o falso prefixo “pseudo” é usado na língua portuguesa para expressar a ideia de algo que não é verdadeiro. Entretanto, ele só é separado do seu segundo elemento pelo hífen quando este se inicia com as letras “o” ou “h”. Veja a seguir:

  • pseudo-hipertensão;
  • pseudo-herói;
  • pseudo-habitação;
  • pseudo-humano;
  • pseudo-operação;
  • pseudo-olho;
  • pseudo-obsessão. 

Já nos casos nos quais o segundo elemento seja iniciado pelas consoantes “s” ou “r”, é preciso dobrá-las e não utilizar o hífen. Observe os exemplos:

  • pseudorrainha;
  • pseudorrepresentação;
  • pseudossamba;
  • pseudossábio;
  • pseudorrevelação.

Em quaisquer outras situações, o uso do hífen não é necessário. Atente-se:

  • pseudoartista;
  • pseudomédico;
  • pseudofobia;
  • pseudociência;
  • pseudológico;
  • pseudofilosofia.

Falso prefixo

Pseudo é considerado um falso prefixo. Para entender melhor esse conceito, é necessário antes compreender o que é um prefixo.

Um prefixo é um termo que se junta a outra palavra para formar um novo termo, com um novo significado. Apesar de possuir um significado por si só, a função principal do prefixo é formar outros vocábulos.

Já o falso prefixo é um termo que, conquanto tenha aparência e funcione como prefixo, possui seu próprio radical, ou seja, ele poderia ser utilizado de forma isolada, sem precisar do complemento de outro vocábulo.

Dito de outra forma, trata-se de uma palavra que surgiu como termo independente e, com o tempo, passou a ser utilizada como prefixo.

Outros exemplos de falsos prefixos são: contra, pseudo e semi.

*

Gostou do artigo? Então, continue seus estudos com o Guia Completo do Hífen.