A prosopopeia é bastante comum na língua portuguesa, mas nem sempre quem a usa, sabe do que se trata. Apesar do nome ser bem famoso, essa  figura de linguagem deixa muitas questões no ar.

Vamos explicar o que é a prosopopéia, dar exemplos e esclarecer em definitivo qualquer dúvida que você possa ter sobre esse tema.

O que é prosopopeia?

A prosopopeia é uma figura de linguagem (usada para demonstrar uma linguagem diferente da denotativa, que expressa mais do que sentido literal das palavras) muito usada no nosso dia a dia. Também chamada de personificação, ela empresta características humanas a objetos ou sujeitos inanimados

Exemplos de prosopopeia 

  • A floresta está triste com tantas queimadas. (indicando que o sujeito, mesmo não sendo humano, sente como se fosse.)
  • Meu gato sorriu para mim. (o gato, um animal, só mesmo através da prosopopeia pode sorrir.)
  • O cachorro chora por estar longe da mãe. (cachorros não choram, uivam)

Prosopopeia ou personificação é a mesma coisa?

Como dito anteriormente, sim, prosopopeia ou personificação significam o mesmo. São expressões usadas em relação ao anismo, que é o que faz a animação de personagens de livros ou propagandas se parecerem com seres humanos, com características de pessoas, para dar realce ao tema abordado.

Diferenças entre prosopopeia e metáfora

Apesar de parecerem semelhantes, a prosopopeia e a metáfora, ambas figuras de linguagem, são diferentes entre si. A metáfora é construída de maneira conotativa, dando ideia de comparação, como por exemplo: Aquele cara é um rato. No exemplo vemos o homem que tem a atitude de um rato, se acovardando.

Já na prosopopeia, não há o sentido de comparação, aparece de forma denotativa, passando ideia de que o sujeito, mesmo que irracional ou inanimado, possui pensamentos, sentimentos ou características de seres humanos, como no exemplo.

Aquele móvel velho está chorando, precisa de cuidados. Já nesse exemplo, o móvel, por estar velho e precisando de conserto, estaria sentindo o peso da idade e chorando para ser reformado, como uma pessoa o faria.

Prosopopeia nas frases

Com a finalidade de dar ênfase no que diz respeito ao sujeito, emprestamos características humanas a ele. Como na frase

O sol acordou mais feliz hoje. (Sendo o sol uma estrela, nem acorda nem fica feliz, e essas palavras com características humanas, denotam que ele parece estar mais brilhante.)

Ou nessa outra frase: A lua beijou o mar. (A lua adquiriu uma personificação, beijando o mar, que também não pode ser beijado.)

Prosopopeia na literatura 

A prosopopeia é comumente usada em fábulas, que geralmente contam histórias com animais e seres inanimados como personagens, e fazem com que eles possuam características e comportamento humano, com a finalidade de dar um exemplo, uma lição, e para reforçar a ideia de faz de conta.

Como por exemplo a fábula de La Fontaine, em que o ratinho sente pena do leão que foi pego por caçadores, e para salvá-lo rói as cordas que o mantinham cativo.

Ou nos quadrinhos em que o Garfield, um gato amarelo e preguiçoso, de acordo com o escritor, tem sentimentos e vontades humanas, como raiva, tédio e vontade de comer lasanha.

Mas o mais famoso mesmo em terras brasileiras é Monteiro Lobato, que para narrar a história de um sítio encantado, criou personagens com características de pessoas, como a boneca Emília, a espiga de milho chamada Visconde de sabugosa, entre outros.

Uso da prosopopeia nas cantigas 

Assim como nas histórias, muitos compositores se fazem valer da licença poética e usam a prosopopeia para engrandecer seus personagens com sentimentos e personalidades humanas.

Com isso muitos autores de cantigas utilizam o personismo para enfatizar suas ideias, como na música criada para o personagem Emília, de Monteiro Lobato.

Emília

Baby do Brasil

De uma caixa de costura
Pano, linha e agulha
Nasceu uma menina valente
Emília, a Boneca-Gente

Nos primeiros momentos de vida
Era toda desengonçada
Ficar em pé não podia, caía
Não conseguia nada

Emília, Emília, Emília
Emília, Emília, Emília

Mas a partir do momento
Que aprendeu a andar
Emília tomou uma pílula
E tagarelou, tagarelou a falar
Tagarelou, tagarelou a falar

Ela é feita de pano
Mas pensa como um ser humano
Esperta e atrevida
É uma maravilha
Emília, Emília

Emília, Emília, Emília
Emília, Emília, Emília

Para história, ela tem um plano
Inventa mil ideias, não entra pelo cano
Ah, essa boneca é uma maravilha!

Monteiro Lobato

De acordo com a letra, a caixa de costura, pano, linha e agulha deram vida a uma boneca, que não só nasceu, mas também aprendeu a andar, falar e pensar, e se tornou uma pessoa.

Como é possível ver em todos os exemplos citados acima, a prosopopeia ou o personismo, têm como função exaltar sentimentos, atos e gestos de pessoas, e são empregados em diversas formas de arte, mas também usados frequentemente no nosso dia a dia.