A população indígena do Brasil conta com mais de 1,6 milhão de pessoas. Esse grupo se divide em mais de 300 etnias distintas e falam mais de 270 línguas. Toda essa diversidade dá origem a uma das ricas culturas indígenas de todo o mundo.  

Neste contexto, o questionamento de como abordar a cultura dos povos indígenas na alfabetização tem sido frequentemente levantado. Isso porque é importante que as crianças conheçam o processo de construção de uma nação, para entender e absorver todo o legado trazido pelos povos originários. 

Este tipo de aprendizado deve ser atrelado a dinâmicas infantis e tratado por meio de temas que sejam pertinentes para a faixa etária, permitindo que os alunos não apenas compreendam, como também se sintam atraídos pelo assunto. 

Pensando em ajudar os professores com uma exploração abrangente sobre a cultura dos povos indígenas na alfabetização, neste artigo, você confere propostas de atividades que irão auxiliar nessa abordagem. Acompanhe!

Como abordar a cultura dos povos indígenas na alfabetização?

Qual a importância de abordar a cultura dos povos indígenas na alfabetização e no letramento?

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) inclui componentes curriculares e habilidades a serem desenvolvidos para que os alunos aprendam sobre a cultura dos povos indígenas e respeitem as diferenças desde pequenos. Essa premissa está diretamente ligada à promoção da diversidade cultural e ao desenvolvimento das competências socioemocionais.

Nesse sentido, trabalhar a cultura indígena no processo de alfabetização permite enriquecer a visão de mundo dos estudantes, ampliando seu repertório de referências socioculturais. Dessa forma, as crianças já iniciam seu processo de letramento.

Vale destacar que é o letramento que dá à leitura e à escrita uma função social e, portanto, contribui para o desenvolvimento da capacidade de reflexão e de contextualização sociais. Assim, o processo de alfabetização ocorre de forma mais integrada com as vivências dos estudantes e contribui para formá-los como cidadãos mais conscientes.

7 sugestões de atividades para abordar a cultura dos povos indígenas na alfabetização

Acompanhe abaixo, 7 sugestões de atividades para abordar as culturas dos povos indígenas na alfabetização.

1. Confecção de colares

A confecção de colares faz parte da cultura dos povos indígenas. Por isso, apresentar esse tipo de acessório para as crianças pode ser muito interessante. Além de conhecerem, é fundamental confeccionarem um colar próprio. Este tipo de atividade pode ser feita com o auxílio de miçangas e sucatas. 

Além de enriquecer o conhecimento do aluno, a confecção de colares também auxilia na execução de atividades manuais e estimula a coordenação motora fina, que é fundamental para o desenvolvimento da escrita. Ademais, é possível realizar um concurso dos melhores acessórios ou uma exposição para as outras turmas. 

2. Esculturas em argila 

Colocar a mão na massa é a proposta desta dinâmica. A argila também faz parte da cultura indígena e, por isso, as crianças podem construir seus próprios utensílios, enquanto o professor mostra fotos reais de coisas confeccionadas pelos povos indígenas. 

Dessa forma, as crianças aprendem sobre os costumes e diferenças entre as etnias e ainda aprendem uma forma diferente de construir objetos. Essa atividade pode ser feita individualmente ou em grupos e, com toda certeza, renderá bons registros. 

3. Pintura e desenho

As atividades de pintura e desenho são excelentes para que as crianças possam representar aquilo que aprenderam. Assim, o professor pode passar um vídeo sobre a cultura indígena e solicitar que desenhem algo que chamou a atenção. 

Além de explorar as imagens, os alunos podem elaborar cartazes para colocar na escola. De forma complementar, o professor pode escrever uma palavra que represente cada pintura. Dessa forma, é possível trabalhar a consciência fonológica das crianças. 

4. Contação de lendas

Toda criança, especialmente em fase de alfabetização, gosta de contação de histórias. Para abordar a cultura dos povos indígenas, nada melhor que explorar as lendas das etnias. Além da transmissão de conhecimento, a aula se tornará mais lúdica e atrativa. 

As lendas que fazem parte desse universo são:

  • Saci-Pererê;
  • Curupira;
  • Boitatá;
  • Tucumã;
  • Mapinguari;
  • dentre outras.

É provável que algumas crianças já conheçam essas histórias, pois também são muito trabalhadas no folclore. No entanto, também são fundamentais quando o assunto é povos indígenas. Além de conhecerem mais sobre o assunto, também podem praticar a leitura e a escrita por meio das lendas. 

Além disso, é interessante trabalhar com livros que tenham protagonistas indígenas. Para ajudar, abaixo listamos quatro obras que destacam os povos originários:

  • Um sonho que não parecia sonho, de Daniel Munduruku – Editora Caramelo
  • Txopai e Itôhã, de Kanátyo Pataxó – Editora Formato
  • Meu lugar no mundo, de Sulami Katy – Editora Ática
  • Meu pai Ag’wã: Lembranças da casa de conselho, de Yaguarê Yamã – Editora Scipione

5. Culinária

Uma outra boa forma de abordar a cultura dos povos indígenas na alfabetização é realizando atividades de culinária, ou seja, levando as crianças para a cozinha. Esse tipo de atividade é importante tanto para aprenderem o lema de “faça você mesmo” como para conhecerem as comidas de origem das tribos, como:

  • paçoca;
  • bolo de milho;
  • banana assada;
  • canjica;
  • açaí;
  • entre outras.

As crianças também podem fazer um piquenique somente com os alimentos de origem indígena. Será uma grande oportunidade de se divertirem enquanto aprendem. 

Além disso, o educador pode trabalhar os nomes dos pratos, aproveitando sua sonoridade para desenvolver a consciência silábica e fonêmica dos estudantes.

6. Comemorações do Dia dos Povos Indígenas

Uma ótima oportunidade de trabalhar a cultura dos povos tradicionais é celebrar o Dia dos Povos Indígenas, que ocorre em 19 de abril. Afinal, trata-se de uma data importante para transmitir conhecimento aos alunos de todos os níveis escolares. 

Entretanto, é fundamental que a cultura indígena seja trabalhada em diferentes momentos do ano, e não somente na data comemorativa. 

7. Palavras de origem indígena

A Língua Portuguesa está cheia de palavras de origem indígena. Nesse sentido, vale a pena aprensetar esses termos aos estudantes e explorar sua etmologia junta com as crianças.

Abaixo alguns exemplos de vocábulos que vieram dos povos originários:

  • arapuca (do tupi wira-púka)
  • biboca (do tupi ymby-mbóka)
  • caboclo (do tupi kara’iwa)
  • caipora (do tupi kaa-póra)
  • carioca (do tupi kariwóka)
  • catapora (do tupi tata-póra)
  • cumbuca (do tupi kui’mbuka)
  • curumim (do tupi kunumín)

Alfabetização e contexto

Vale dizer que o processo de alfabetização não se limita somente a ensinar as crianças a lerem e a escreverem. Nesta idade, as atividades de conhecimento, a interação e, principalmente, as dinâmicas são de suma importância para o desenvolvimento de uma série de habilidades.

O que você achou das sugestões acima? Nos ajude a enriquecer esse artigo com novas ideias nos comentários!

*

Gostou do artigo? Então, vale a pena aprofundar seus conhecimentos com o Guia da Alfabetização.