Língua Portuguesa, Literatura e Alfabetização

Categoria: Concordância verbal e nominal (Page 1 of 4)

A concordância diz respeito, segundo Fernando Pestana, à conformidade de palavras que mantêm relação entre si.

Ela pode ser nominal ou verbal:

Concordância nominal: trata da variação de gênero e número dos determinantes (artigo, adjetivos, numerais e pronomes) na relação com o substantivo.

Concordância verbal: trata da relação entre o verbo e o sujeito e das respectivas flexões de número e pessoa.

Os textos reunidos nesta categoria tratam de diferentes casos de concordância e abordam as dúvidas mais recorrentes sobre esse tópico.

Concordância com “mesmo” e “próprio”

A concordância nominal é uma área da gramática que estuda concordância de gênero e número entre substantivos e demais termos da oração (adjetivos, artigos, pronomes, etc.). Ela garante que aquilo que queremos dizer faça sentido.

No artigo de hoje, vamos entender quando utilizar as palavras “mesmo” e “próprio”, pois elas variam conforme o contexto.

Pronome e substantivo

Quando “mesmo” e “próprio” são usados como pronomes demonstrativos de reforço, com o objetivo de enfatizar, eles concordam com o termo ao qual se referem. A mesma regra se aplica quando esses termo funcionam como substantivo. Sendo assim, o foco está no elemento da oração:

a) Mesmo, próprio (masculino, singular)

  • Ele não parava de falar de si mesmo (próprio).
  • Ele mesmo (próprio) reconheceu que errou.
  • Eu mesmo (próprio) que fiz.

b) Mesmos, próprios (masculino, plural)

  • Eles mesmos (próprios) tomaram essa decisão.
  • Eles mesmos (próprios) se questionavam.
  • Demorou para que eles mesmos (próprios) assumissem a culpa.

c) Mesma, própria (feminino, singular)

  • Sim, sou eu mesma (própria)!
  • Deixa que eu mesma (própria) me encarrego disso.
  • Eu mesma (própria) pedi.

d) Mesmas, próprias (feminino, plural)

  • Elas mesmas (próprias) se assustaram.
  • Foram elas mesmas (próprias) as responsáveis por isto!
  • As irmãs adoravam elogiar elas mesmas (próprias). 
Continue reading

Hoje é x Hoje são – qual a forma correta?

Quem nunca ficou na dúvida sobre a língua portuguesa, que atire o primeiro dicionário! Complexa, a língua portuguesa apresenta diferentes possibilidades. 

Quando o assunto é concordância verbal, as escolhas podem variar. Com o verbo “ser”, temos flexibilidade. É o caso de “hoje é” e “hoje são“. Vamos entender quando e como utilizá-los?

As duas formas existem

Primeiro ponto: tanto “hoje é” quanto “hoje são” existem na língua portuguesa e estão corretos.

Segundo ponto: a concordância verbal poderá ser feita tanto no singular como no plural, com o sujeito gramatical ou com o predicativo do sujeito.

Quando usar “hoje é” e “hoje são”?

Abaixo, vamos entender quando utilizar cada uma das formas. Vejamos!

Verbo “ser” (é) indicando quantidade = use no singular

  • Hoje é cinquenta reais a consulta.
  • Hoje é três (dias) de fevereiro.
  • Hoje é duzentos gramas de queijo que eu vou levar.

Verbo “ser” (são) indicando tempo = use no plural

  • Hoje são 30 minutos de intervalo.
  • Hoje são oito (data) de abril.
  • Hoje são duas horas de voo.
Continue reading

Plural das cores – como funciona?

O plural das cores sempre gera muitas dúvidas. Isso acontece, porque temos regras específicas que se aplicam a esses casos. Neste artigo, vamos mostrar tudo que você precisa saber para escrever com segurança. Vejamos!

Adjetivo

Quando a cor for representada por um adjetivo, o termo deve ser flexionado de acordo com o substantivo que o acompanha:

  • Naquele jardim, havia muitas folhas verdes.
  • Janaina tinha muitos vestidos pretos no seu armário.
  • Nos países escandinavos, muitas pessoas têm olhos azuis e cabelos loiros.
Continue reading

Qual o plural de Papai Noel?

Papais Noel ou Papais Noéis? A forma plural correta da palavra Papai Noel é Papais Noéis. Saiba mais.

Exemplos

Veja alguns exemplos de uso da expressão Papais Noéis: 

  • Existem Papais Noéis de diferentes tipos.
  • Os Papais Noéis são a alegria do Natal.
  • O shopping contratou vários Papais Noéis este ano.

Formação do plural

A regra geral do plural das palavras no português é o acréscimo do “s” no final da forma singular. No entanto, em palavras compostas, isso pode variar.

Quando a palavra composta é formada por duas palavras variáveis (artigos, adjetivos, verbos, substantivos, pronomes e numerais), ambas vão para o plural.

É o caso de Papai Noel. Confira alguns exemplos:

Continue reading

Concordância verbal: conheça os principais casos

Concordância verbal é a adequada flexão em número e pessoa do verbo para que ele possa concordar com o núcleo do sujeito da oração. Observe alguns exemplos:

A estudante de economia gosta de livros sobre investimentos. 

Sujeito: A estudante de economia

Núcleo do sujeito: estudante (terceira pessoa do singular)

Verbo: gosta (conjugado na terceira pessoa do singular)

As estudantes de economia gostam de livros sobre investimentos.

Sujeito: As estudantes de economia

Núcleo do sujeito: estudantes (terceira pessoa do plural)

Verbo: gostam (conjugado na terceira pessoa do plural)

Dessa forma, temos a seguinte regra geral de concordância verbal: se núcleo do sujeito está na primeira, segunda ou terceira pessoa do singular, o verbo também deve estar; se o núcleo do sujeito está na primeira, segunda ou terceira pessoa do plural, o verbo também deve estar.

Contudo, temos alguns casos especiais de concordância verbal. Acompanhe os principais a seguir.

Continue reading

Qual o feminino de bacharel?

O feminino de bacharel é bacharela. Apesar de pouco usual, a palavra está registrada no Vocabulário Oficial da Língua Portuguesa (Volp) da Academia Brasileira de Letras. Neste artigo, vamos fazer uma análise desse termo. Vejamos!

Classificação morfológica

Bacharela é um substantivo feminino originado do termo francês bachelier.

ex: Joana é formou-se bacharela em história.

Ademais, o termo também representa a conjugação do verbo bacharelar na terceira pessoa do singular do presente do indicativo:

  • Eu bacharelo
  • Tu bacharelas
  • Ele bacharela
  • Nós bacharelamos
  • Vós bacharelais
  • Eles bacharelam
Continue reading

Concordância nominal: conheça os principais casos

Você pode se perguntar o que é concordância nominal? A concordância nominal é a adequada flexão em gênero (masculino e feminino) e número (singular e plural) dos determinantes que caracterizam um determinado substantivo. Os determinantes podem ser: artigos, adjetivos, numerais e pronomes.

 Exemplo de concordância nominal:

– Aquelas duas lindas moças já disputaram o Miss Brasil.

Ao classificar morfologicamente cada termo em destaque, temos:

Aquelas: pronome

duas: numeral

lindas: adjetivo

moças: substantivo

O substantivo é a peça-chave nesse tipo de concordância. Logo, pelo fato de moças estar no feminino e no plural, as demais palavras que caracterizam esse substantivo (aquelas, duas e lindas) também devem estar no feminino e no plural, conforme a regra geral de concordância nominal.

No entanto, alguns casos vão além dessa simples regra. Vejamos os principais a seguir.

Regras de concordância nominal

Quando pensamos nas regras de concordância nominal, devemos lembrar que as mesmas sempre tentam concordar adjetivos, numerais, pronomes adjetivos e artigos com o número e gêneros dos substantivos. Vamos conferir cada uma delas em detalhes agora.

Concordância nominal de adjetivos com o substantivo

1. Um adjetivo para dois ou mais substantivos

Quando um adjetivo caracteriza dois ou mais substantivos, ele deve concordar com o substantivo mais próximo (concordância atrativa) ou com todos os substantivos (concordância gramatical).

– Gosto de alunos e alunas dedicadas. (concordância atrativa)

– Gosto de alunos e alunas dedicados. (concordância gramatical)

2. Adjetivo antes dos substantivos

Quando o adjetivo estiver anteposto aos dois ou mais substantivos que caracteriza, é obrigatória a concordância com o termo mais próximo. Veja alguns exemplos de concordância nominal:

– Consumi bons vinhos, comidas e livros.

– Consumi boa comida, vinhos e livros.

3. Dois ou mais adjetivos para um substantivo

Quando dois ou mais adjetivos caracterizam o mesmo substantivo, o substantivo deve ficar no plural.

– As diferenças entre os setores público e privado são grandes.

Contudo, se houver um determinante antes do segundo adjetivo, o substantivo deverá ficar no singular.

– As diferenças entre o setor público e o privado são grandes.

4. Adjetivo composto

Quando o adjetivo em questão é composto, somente o segundo termo da composição varia para concordar com o substantivo.

– As medidas econômico-financeiras da diretoria não agradaram a todos.

Porém, se houver um substantivo na composição, o adjetivo fica invariável. Veja como fica a concordância nominal:

– Vestidos vermelho-sangue

– Sofás cinza-escuro

– Cadernos amarelo-ouro

– Camisas marrom-terra.

São sempre invariáveis: azul-marinho, azul-celeste, furta-cor, ultravioleta, sem-sal, sem-terra, verde-musgo, cor-de-rosa, zero-quilômetro.

Advérbios x adjetivos

Algumas palavras, dependendo do contexto, podem ser tanto advérbios quanto adjetivos, exemplos: caro, barato, meio, junto, muito e bastante. Para identificar a qual classe essas palavras pertencem, é bem simples:

– Quando elas se ligam a um verbo, adjetivo ou outro advérbio, são consideradas advérbio, que é uma classe invariável, isto é, não sofre variação em gênero e em número.

– Quando elas se ligam a um substantivo, pronome, numeral ou qualquer palavra de valor substantivo, são consideradas adjetivo, que é uma classe variável em gênero e em número.

Exemplos:

– Paguei caro/barato pela bolsa. (advérbios – invariáveis)

– Comprei aquela bolsa cara/barata. (adjetivos – variáveis)

– Ando meio desatenta. (advérbio – invariável)

– Comi meia banana. (adjetivo – variável)

– Fica junto à cerca. (advérbio – invariável)

– Juntas nós podemos mais. (adjetivo – variável)

– Gosto muito deles. (advérbio – invariável)

– Gosto de muitos amigos. (adjetivo – variável)

– Estudo bastante. (advérbio – invariável)

– Estudo bastantes matérias. (adjetivo – variável)

Concordância nominal do pronome com dois ou mais substantivos

Se um pronome fizer referência a dois ou mais substantivos de gêneros diferentes, então ele deve ficar no masculino plural.

– A simpatia, o respeito e a prudência, a mãe os havia ensinado aos filhos.

Concordância nominal de numerais ordinais com o substantivo

Com numeral ordinal, é o substantivo que pode variar. Opções possíveis:

– A primeira e segunda aula(s) foram ótimas.

– A primeira e a segunda aula(s) foram ótimas.

Se o substantivo estiver anteposto aos numerais, é obrigatório que ele fique no plural:

– As aulas primeira e segunda foram ótimas.

Casos especiais de concordância nominal

Também é importante estudar a concordância nominal e casos especiais sobre o tema. Veja alguns agora mesmo.

1. Palavras: mesmo, próprio, só, extra, junto, leso, quite, obrigado, anexo, apenso e incluso</h3>

Quando tais palavras possuem valor de adjetivo, elas devem variar normalmente.

– A criança mesma pintou o quadro.

– As amigas vivem falando de si próprias.

– As filhas ficaram sós. (= sozinhas)

– Costumava fazer cinco horas extras por semana.

– Os quatro estudavam juntos naquela escola.

– Tentar submeter o território nacional ao domínio de outro país é crime de lesa-pátria.

– Eles estão quites com o serviço militar.

– As alunas disseram ao professor: “Muito obrigadas!” e saíram.

– As gravações seguem anexas.

– As fichas seguem apensas.

– Estão inclusos os valores de transporte.

2. Expressões: é preciso, é necessário, é bom, é proibido, é permitido

Junto a essas expressões, o adjetivo fica invariável quando se refere a um substantivo de sentido genérico, ou a um substantivo sem um determinante (artigos, adjetivos, numerais e pronomes).

– Alface é bom.

– É necessário disciplina para ser aprovado.

– É proibido entrada de animais neste estabelecimento.

No entanto, quando o substantivo está acompanhado de um determinante, o adjetivo deve variar.

– Esta alface é boa.

– É necessária uma disciplina militar para ser aprovado.

– É proibida a entrada de animais neste estabelecimento.

3. Substantivo com valor contextual de adjetivo

Quando um substantivo assume valor contextual de adjetivo, ele nunca varia.

– Ganhei dois pijamas laranja.

– Senti umas dores de cólica monstro.

– Há muitos funcionários fantasma na cidade.

– Recebeu notícias relâmpago na véspera do casamento.

– Realizava ataques surpresa contra os inimigos.

4. Verbos no particípio

O verbo no particípio funciona como adjetivo na voz passiva analítica, portanto concorda em gênero e número com o substantivo também.

– Os lutadores brasileiros foram nocauteados no campeonato.

– Minha filha e meu sobrinho tinham sido aprovados na universidade federal.

5. Pronome indefinido neutro + preposição “de” + adjetivo

Nas expressões formadas por pronome indefinido neutro (nada, algo, muito, tanto, etc.) + preposição “de” + adjetivo, este último normalmente é usado no masculino singular.

– Os jovens tinham algo de misterioso.

Porém, também podem concordar por atração com o sujeito:

– Maria e Ana nada tinham de ingênuas.

Silepse de gênero e de número na concordância nominal

Silepse, também chamada de concordância irregular, ideológica ou figurada, é uma figura de linguagem na qual a concordância acontece não com o que está explícito na frase, mas com o que está subentendido.  Ou seja, trata-se de uma concordância ideológica, que ocorre com a ideia que o falante quer passar.

Há dois tipos de silepse na concordância nominal: 

1. Silepse de gênero

O determinante fica em gênero diferente do substantivo (ou palavra substantivada) ao qual faz referência, pois faz concordância com o sexo da pessoa a que se refere o tratamento.

– Presidente, Vossa Excelência está apressado!

2. Silepse de número

Não há flexão nominal, mas o determinante fica em número diferente do substantivo (ou palavra substantivada) ao qual faz referência.

– O brasileiro é muito persistente. Com as inúmeras dificuldades do país, aprenderam a ser batalhadores.

Silepse é erro gramatical?

A silepse, por ser uma figura de linguagem, tem fundamento semântico e estilístico e não é considerada erro gramatical. No entanto, ela não se aplica a construções próprias do registro coloquial, as quais não contam com intenção estilística e nem possuem respaldo no registro culto, exemplo: “a gente vamos”.

Que tal fazer alguns exercícios e atividades de concordância nominal para colocar esse conhecimento em prática?

Resumo de concordância nominal

Como pudemos observar nas regras gerais de concordância nominal, a concordância pode ser atrativa ou gramatical, dependendo da posição dos termos na oração. Além disso, substantivos, adjetivos ou a combinação de ambos em um termo também alteram a concordância nominal. 

Seguindo essas regras, não vai mais errar quando for realizar a concordância de nomes. No entanto, você sabe como realizar a concordância verbal corretamente? No Clube do Português é possível aprender o que é concordância verbal e nominal. Continue estudando e lendo!

O correto é tons pastel, e não tons pastéis

A forma correta é tons pastel, e não tons pastéis. Neste artigo, vamos explicar por que a concordância é feita dessa forma. Vejamos!

Substantivo x Adjetivo

Em geral, quando um substantivo funciona como um adjetivo, ele fica invariável. Em outras palavras, ele não sofre flexão de gênero (masculino x feminino) nem de número (singular x plural).

É nesse contexto que se encaixa a expressão tons pastel. Assim, perceba que o substantivo pastel funciona como adjetivo, qualificando outro substantivo (tons).

Nesse sentido, o termo pastel indica uma suave, tênue ou clara.

Confira outros exemplos que se encaixam nessa regra: ternos cinza, camisetas violeta, encontros relâmpago, tintas creme, decorações rosa.

Continue reading

Qual o plural de curta-metragem?

Afinal, qual é o plural de curta-metragem? Neste artigo, vamos mostrar qual a forma correta de fazer a flexão de número desse substantivo composto. Vejamos!

Adjetivo + Substantivo

Nos substantivos compostos formados pela combinação de um adjetivo com um substantivo, ambos os termos devem ir para o plural na flexão de número. Logo, o plural de curta-metragem é curtas-metragens.

Vejamos alguns exemplos de uso desse termo:

  • O Festival de Cinema de Canela premia muitos curtas-metragens todos os anos.
  • Os filmes que mais gosto são os curtas-metragens.
  • No mercado de animação, há muitos curtas-metragens de qualidade.

Destaca-se que essa regra também é válida para o termo longa-metragem, cujo plural é longas-metragens.

Continue reading

Analista judiciário: qual é o feminino?

Afinal de contas, qual o feminino de analista judiciário? Neste artigo, vamos resolver essa questão por meio da análise de cada um dos termos da expressão. Vejamos!

Analista

O substantivo analista é comum de dois gêneros. Isso significa que ele possui somente um gênero para feminino e masculino, sendo a distinção entre um e outro feita pelo uso dos artigos (a, o, um, uma).

ex1: Júlio é um ótimo analista.

ex2: Márcia é uma ótima analista.

Continue reading
« Older posts

© 2022 Clube do Português

Theme by Anders NorenUp ↑